A primeira coisa que me intrigou sobre o cara que eu conhecia como SuperDaE era que ele não tinha sotaque australiano. Eu não conseguia detectar um sotaque mínimo, que fosse. SuperDaE me contou há muito tempo, durante a nossa primeira conversa por telefone, de Nova York até seja lá onde ele morava na Austrália, que ele ouvia isso bastante. Ele jurou que era australiano. No mês seguinte, ele me contou muitas coisas difíceis de acreditar. Por fim, pude confirmar metade de tudo o que ele disse. Fiquei me perguntando sobre a veracidade do resto.

Continue lendo no Kotaku Brasil: http://www.ktkbr.com.br/historia-hacker-superdae/