Simplesmente devo informá-lo desse fato crucial sobre as abelhas: quando as abelhas ficam presas na água, elas usam suas asas como aerofólios para navegar de volta à segurança da terra.

Embora as abelhas possam boiar, elas não podem voar com asas molhadas e, pior ainda, não são fortes o suficiente para libertar suas asas da superfície da água. Isso pode parecer uma sentença de morte caso caiam acidentalmente em uma piscina ou poça. Mas não se preocupe. Elas têm uma solução.

Os pesquisadores Chris Roh e Morteza Gharib, do Caltech Graduate Aerospace Laboratories, coletaram abelhas de um jardim em Pasadena, Califórnia, colocaram-nas em tubos de plástico e bateram gentilmente nos tubos até que as abelhas caíssem em cerca de 2,5 cm de água. Em seguida, a dupla filmou as abelhas com câmeras de alta velocidade, observando a força e a frequência dos batimentos das asas e a rapidez com que se moviam. Eles também colocaram luzes acima das abelhas para ver os padrões de sombra produzidos pelas ondas.

As abelhas se moveram pela água, batendo suas asas de forma mais lentas e menos linear do que costumam fazer para voar. A vibração criou padrões de ondas assimétricos que diferiam na frente e à frente da abelha, demonstrando que as abelhas estavam realmente usando suas asas para lançar ondas que as empurrariam para frente. As abelhas viajavam a taxas de até três comprimentos de abelha por segundo.

No entanto, está claro que a água não é o habitat preferido das abelhas. “Comparado à locomoção na superfície da água de outros insetos, nem a velocidade nem a eficiência alcançada pela hidrodinâmica da abelha impressionam”, escrevem os autores no artigo publicado no Proceedings da Academia Nacional de Ciências. Mas a técnica de hidrofólio parece ser única entre os insetos que podem se mover na água, de acordo com o estudo.

O batimento das asas era suficiente para que as abelhas escapassem da água em uma lagoa local. Elas viajaram vários metros para chegarem à terra para se secarem antes de retornarem à sua vida regular de abelha.

Existem limitações para este estudo, no entanto; os pesquisadores apenas modelaram as características mais gerais do movimento das asas e não incluíram a flexão delas. O modelo também não explica a gravidade ou a tensão superficial na água.

Quanto ao motivo pelo qual engenheiros em um laboratório aeroespacial estudavam abelhas, bem, o mecanismo pode inspirar veículos aquático-aéreos híbridos, escrevem os autores, em que o bater das asas oferece propulsão aérea e aquática sem mudanças drásticas na forma do veículo. A equipe modelou as asas das abelhas em ação e, talvez, esse trabalho possa ser usado algum dia para realmente criar esse veículo.