Há anos, uma preocupação tem crescido por parte das agências federais e de aviofóbicos em torno do efeito de milhões de máquinas voadores controladas remotamente povoando os espaços aéreos. Uma colisão recente pode ser o primeiro caso norte-americano que prova que os drones são, na verdade, perigos para máquinas voadoras maiores que carregam pessoas.

A National Transportation Safety Board (órgão independente responsável por, entre outras coisas, investigar acidentes aéreos nos EUA) está investigando um choque de helicóptero na Carolina do Sul que pode ter sido causado por um drone civil, de acordo com uma reportagem da Bloomberg.

Em novembro, um estudo financiado pela Federal Aviation Administration (equivalente norte-americano à ANAC) alertou sobre as ameaças potenciais que os drones representavam aos aviões, recomendando que fabricantes de drones usassem menos metal, para que as colisões de drone não danificassem os aviões em caso de impacto, basicamente tornando-os tão inofensivos quanto gansos (que, a propósito, também podem causar acidentes de avião — daqueles que viram filmes de Hollywood). Mas o incidente dessa semana parece ter sido causado por uma tentativa de evitar uma colisão.

O choque na tarde de quarta-feira (14) envolveu um estudante de pilotagem e um instrutor voando um Robinson Helicopter Co. R22 perto de Charleston, segundo um comunicado da FAA. Uma fonte próxima da investigação disse à Bloomberg que o pupilo e o professor disseram aos investigadores que viram um pequeno drone bem à sua frente, manobraram para evitar o objeto e acertaram uma árvore com a cauda do helicóptero, fazendo com que ele se chocasse na aterrissagem.

O porta-voz da National Transportation Safety Board Chris O’Neil contou à Bloomberg em um email que a agência de investigação federal estava ciente das notícias de que um drone poderia estar associado com o incidente.

De acordo com uma afiliada da CBS em Charleston, o piloto e o estudante disseram aos policiais que o drone era um “quadcóptero DJI Phantom”. A DJI liberou um comunicado, dizendo que a empresa “está tentando descobrir mais sobre o incidente e que permanece pronta para oferecer assistência aos investigadores”, mas ressaltou que está focada em “desenvolver soluções educacionais e tecnológicas para ajudar pilotos de drones a ficar longe de aeronaves tradicionais”.

A cauda do helicóptero foi danificada, mas o piloto e o estudante não se machucaram. Não temos razão para pensar que qualquer um deles esteja mentindo, mas imagino que se eu me envolvesse numa bagunça durante a aula de pilotagem e meu instrutor não quisesse aguentar as consequências, uma aparição misteriosa de um drone pareceria uma desculpa muito boa.

[Bloomberg]