Segundo a Kaspersky, o percentual de computadores com vulnerabilidade detectada por meio do Adobe Reader foi de 40,78%, enquanto usuários de Flash abriram as portas em 31,32% em uma das brechas e 24,83% em outra. Nos dois valores mais altos, a empresa considera o caso “extremamente crítico”. A Kaspersky chama de ataque com sucesso àqueles em que o hacker consegue comandar o computador do usuário.

A diferença para o ano passado é gritante: no relatório de 2010, a Kaspersky relata que o domínio era completo de serviços da Microsoft, que este ano está representada apenas no oitavo lugar, com uma falha no Office com 9,05% de vulnerabilidade constatada. Nas outras posições, destaque para o Java, que levou o quarto e o quinto lugar — mas ainda falta chão para atingir os líderes. Hora de rever algumas questões de segurança, Adobe. [Kaspersky via The Inquirer]