O National Labor Relations Board (NLRB), agência federal dos Estados Unidos responsável por fiscalizar práticas desleais de trabalho, emitiu uma queixa esta semana contra a HCL America, acusando a contratante do Google de violar direitos trabalhistas de seus funcionários por meio de táticas de combate aos sindicatos. A ação diz que a empresa, uma subsidiária da gigante indiana HCL Technologies, pressionou ilegalmente sua força de trabalho de Pittsburgh a não se sindicalizar, mudando parcialmente seus empregos para o exterior.

Em setembro do ano passado, um grupo de cerca de 80 contratados do Google se tornou um dos primeiros na história da empresa a se sindicalizar depois de votar para se afiliar ao maior sindicato industrial da América do Norte, o United Steelworkers. Após a votação, o conselho trabalhista alega que a HCL começou a desviar as responsabilidades da equipe, que incluíam análise de dados e treinamento de aprendizado de máquina sob um contrato com o Google, para seus funcionários na Polônia.

“A HCL tem corroído sua força de trabalho em Pittsburgh ao mover descaradamente o trabalho feito aqui para sua unidade em Cracóvia, Polônia, para retaliar os trabalhadores por exercerem seu direito de escolher representação sindical. A administração prefere infringir a lei do que negociar de boa fé por um contrato justo”, disse Joshua Borden, que atua no comitê de negociação do sindicato, em um comunicado de imprensa.

A HCL e o Google não responderam imediatamente ao pedido de comentário do Gizmodo. A reclamação alega que os chefes da HCL violaram as leis trabalhistas federais ao ameaçar reter salários e promoções se os empreiteiros da sede da Bakery Square do Google continuassem a pressionar pela sindicalização. De acordo com o conselho trabalhista, a gerência também prometeu denunciar as violações das regras de forma mais rigorosa se um sindicato fosse formado.

Segundo o New York Times, a HCL America supostamente começou a limitar as oportunidades de treinamento profissional e instituir testes periódicos de “verificação rápida” para os trabalhadores em retaliação. Desde a última votação, os funcionários disseram que mais de uma dezena de cargos que pertenciam à unidade de negociação inicial foram eliminados.

“Enviar trabalho para fora do país durante uma pandemia foi uma espécie de ação injusta. Eles estavam tentando nos tirar empregos em retaliação pela organização para ter um local de trabalho justo”, disse Borden na reportagem do Times.

Embora a reclamação não acuse diretamente o Google no assunto, a gigante da tecnologia tem sido criticada nos últimos anos por suas parcerias secretas com empresas que combatem sindicatos e demissões aparentemente retaliatórias de funcionários envolvidos em campanhas sindicais. Outros grandes nomes do Vale do Silício, como a Microsoft e a Amazon, também pressionaram agressivamente contra os esforços da organização trabalhista.

Atualmente, o NLRB tem uma audiência agendada para fevereiro perante um juiz de direito administrativo. Se o juiz decidir a favor do conselho trabalhista, a HCL provavelmente será compelida a desfazer quaisquer alterações feitas sem a contribuição do sindicato e negociar com os representantes sindicais para reimplementá-las.