As rochas em Marte preservam um registro do passado antigo do planeta. Mas uma descoberta surpreendente feita pelo rover Curiosity, da NASA, mostra que alguns fragmentos de rocha marciana tiveram suas histórias completamente apagadas. E isso tem a ver com… água salgada.

O objetivo principal da missão Curiosity da NASA é avaliar o potencial de habitabilidade em Marte, enquanto a missão Perseverance recém-chegada visa encontrar vestígios reais ou sinais de vida anterior. Para isso, a Curiosity tem investigado rochas sedimentares na cratera Gale, que são preenchidas com minerais de argila. A argila é um marcador importante de habitabilidade, pois sugere a presença passada de água líquida — um ingrediente chave para a vida.

Rocha sedimentar no local de um antigo lago na cratera Gale. Imagem: NASA/JPL-Caltech/MSSS

Usando um instrumento de química e mineralogia, também conhecido como CheMin, o rover de seis rodas tem analisado amostras de perfuração de camadas sedimentares ao longo da parte inferior do Monte Sharp. Em 2019, um caminho do cume das regiões marcianas Vera Rubin até Glen Torridon possibilitou que a Curiosity examinasse uma camada de argilito que se formou em um lago marciano há cerca de 3,5 bilhões de anos.

A sonda coletou amostras de duas áreas localizadas a menos de 400 metros de distância. Uma pesquisa publicada na Science descreve diferenças inesperadas nessas duas áreas, já que uma amostra apresentou apenas metade da quantidade esperada de minerais de argila. Em vez disso, esses antigos argilitos estavam cheios de óxidos de ferro, que, curiosamente, é o material que dá a Marte sua icônica tonalidade vermelha.

O lamito é uma rocha sedimentar formada pela litificação de silte e argila em proporções variáveis. No caso do lamito encontrado em Marte, ambas as manchas datam da mesma época e local. Portanto, elas devem conter quantidades semelhantes de minerais de argila. Esta observação surpreendente exigiu que os pesquisadores, liderados por Tom Bristow do Centro de Pesquisa Ames da NASA, procurassem uma explicação para a argila perdida. Na verdade, as rochas antigas são conhecidas por serem repositórios de história. Mas, como mostra a nova pesquisa, processos geológicos naturais podem apagar esse registro.

Para explicar o que aconteceu, a equipe postulou um cenário em que a água vazava para a argila a partir de um depósito de sulfato localizado diretamente acima. As salmouras super salgadas se infiltraram nos grãos de areia no fundo do antigo lago e, ao fazer isso, mudou para sempre as camadas ricas em minerais.

“Costumávamos pensar que, uma vez que essas camadas de minerais de argila se formaram no fundo do lago na cratera Gale, elas permaneceram assim, preservando o momento em que se formaram por bilhões de anos. Mas salmouras posteriores quebraram esses minerais de argila em alguns lugares, essencialmente redefinindo o recorde de rocha”, explicou Bristow em um comunicado da NASA.

Rachaduras nesta rocha marciana provavelmente se formaram a partir da secagem de uma camada de lama. Imagem: NASA/JPL-Caltech/MSSS

Por e-mail, Bristow explicou ao Gizmodo US que a nova pesquisa contribui para a imagem cada vez mais emergente da antiga habitabilidade marciana.

“Isso confirma evidências anteriores de que os fluidos continuaram a se mover através das rochas da cratera Gale muito depois de terem sido depositados. Isso também mostra que havia gradientes geoquímicos — algumas partes das rochas foram afetadas mais do que outras e a química dos fluidos mudou”, disse Bristow, acrescentando que os organismos biológicos “podem usar gradientes geoquímicos para capturar energia”.

Esse processo não foi uniforme no fundo do antigo lago, como aconteceu depois que ele perdeu sua água líquida. A água subterrânea na cratera Gale continuou a fluir por baixo da superfície, bem como transportar e dissolver produtos químicos. Como consequência, alguns bolsões de argila subterrânea foram expostos a diferentes condições. Esses bolsões expostos à água salgada passaram por um processo chamado “diagênese”, no qual a mudança na mineralogia apagou o registro geológico (e possivelmente biológico).

Curiosamente, a diagênese poderia criar ambientes amigáveis ​​aos micróbios, mesmo que apagasse evidências potenciais de vida. “Esses são lugares excelentes para procurar evidências de vida antiga e avaliar a habitabilidade. Mesmo que a diagênese possa apagar os sinais de vida no lago original, ela cria os gradientes químicos necessários para sustentar a vida subsuperficial”, declarou John Grotzinger, co-autor do estudo e professor de geologia da Caltech.

Assine a newsletter do Gizmodo

Esse artigo é importante por várias razões. Primeiro, ele melhora nossa compreensão dos processos geológicos no Planeta Vermelho e suas complexidades imprevistas. Em segundo lugar, é um lembrete de que a Curiosity ainda está fazendo um trabalho importante em Marte, mesmo nove anos depois de pousar no solo marciano.

O estudo agora pode informar a equipe da Perseverance, enquanto pesquisadores avaliam os melhores alvos para investigação e escolhem amostras de rochas que poderiam ser trazidas para a Terra para uma análise mais detalhada. De forma empolgante, os dois rovers agora estão trabalhando em equipe (embora estejam a mais de 3 mil km de distância um do outro) e isso, quem sabe, pode contribuir para o trabalho de ambos.