por Daniel Junqueira

A inteligência artificial DeepMind do Google já se mostrou bastante competente, seja ao aprender a jogar 49 jogos de Atari ou, em uma demonstração ainda mais impressionante, ao vencer um dos melhores jogadores de Go do mundo. Mas ela não parou por aí. Agora, a DeepMind conseguiu também não só jogar como vencer o clássico Montezuma’s Revenge, de Atari 2600.

>>> Inteligência artificial do Google aprende a jogar 49 videogames de Atari; veja-a em ação
>>> Lee Sedol perde partida final de Go e inteligência artificial do Google vence por 4 a 1

Não foi só por diversão, entretanto. Pesquisadores do Google ofereceram incentivos para a AI aprender a jogar direito. Eles desenvolveram algoritmos chamados de Motivação Intrínseca (IM, na sigla em inglês), que usam sinais para atiçar uma “curiosidade” para a máquina e, assim, manter o interesse dela no jogo.

Assim, eles conseguiram fazer a AI explorar 15 salas de um potencial de 24 delas dentro do jogo – antes da implementação do algoritmo, a DeepMind não ia além da segunda sala, como explicam os pesquisadores em um artigo científico.

O que torna esse feito realmente marcante é o fato de que Montezuma’s Revenge é um jogo consideravelmente mais complexo do que os 49 que a máquina aprendeu a jogar no passado. Nele, os jogadores precisam atravessar salas complexas em um templo subterrâneo, o que exige planejamento, e não apenas reação ao que acontece na tela. E mesmo assim, em apenas quatro tentativas, a DeepMind chegou ao final do jogo.

O próximo passo, dizem os pesquisadores, é fazer a AI aprender a jogar games ainda mais complexos, até que um dia ela consiga duelar contra humanos em partidas de Starcraft, por exemplo. Quando começarem a nos vencer até nisso, aí talvez já tenha chegado a hora de apertar o botão de destruição da DeepMind. Só para evitar que algo pior aconteça à humanidade.

[Wired]