Os astrônomos na Terra avistaram milhares de exoplanetas — planetas que orbitam uma estrela fora do sistema solar — desde a década de 1990, então não é irracional supor que os alienígenas, caso existam, sejam capazes do mesmo feito. Trabalhando com base nessa suposição, os astrônomos identificaram um número surpreendente de estrelas próximas a partir das quais “astrônomos alienígenas” poderiam ter detectado nosso planeta desde o advento da civilização humana.

Só nos últimos 30 anos os cientistas finalmente conseguiram responder à velha questão sobre se os planetas orbitam outras estrelas. Até o momento, mais de 4 mil exoplanetas foram confirmados pelos astrônomos, a grande maioria deles (cerca de 70%) detectados usando o chamado método de trânsito. A técnica funciona medindo diminuições periódicas na luminosidade de uma estrela — o resultado da passagem de um exoplaneta entre essa estrela e a Terra. Quanto maior for a queda no brilho, maior será o planeta. E, documentando trânsitos repetidos, os astrônomos podem calcular a duração do ano de um exoplaneta.

O método de trânsito é ótimo, mas só funciona quando nosso ponto de vista está correto, já que os exoplanetas precisam passar diretamente na frente de sua estrela hospedeira a partir de nossa linha de visão. Por extensão lógica, os astrônomos alienígenas deveriam ser capazes de usar o método de trânsito para localizar a Terra, mas, novamente, a direção da visão é crucial.

O elemento adicional de tempo

Em 2020, uma equipe liderada por Lisa Kaltenegger, professora de astronomia da Universidade Cornell, identificou cerca de mil estrelas atualmente estacionadas na Zona de Trânsito da Terra (ETZ, na sigla em inglês), ou seja, o ponto ideal de onde nosso planeta pode ser visto transitando ao redor de nosso sol. Kaltenegger, junto com a co-autora do estudo Jackie Faherty, astrofísica do Museu Americano de História Natural, agora atualizou este estudo adicionando o elemento tempo. Os detalhes desta análise foram publicados na Nature.

“O universo é dinâmico e tudo se move”, escreveu Kaltenegger por e-mail. “Assim, o assento dianteiro cósmico para ver a Terra como um planeta em trânsito, bloqueando a luz do Sol, é passageiro. Ele pode ser obtido e perdido. Queríamos saber por quanto tempo as estrelas mantêm esse ponto de vista, e também quais estrelas o tinham e quais estrelas o receberão”, explicou.

A dupla escolheu um período de 10 mil anos: 5 mil anos passados, quando as primeiras civilizações humanas surgiram, e os próximos 5 mil anos, já que ela se diz “otimista de que descobriremos como sobreviver”, explica Kaltenegger.

Estrelas com vista para a Terra

Usando dados do Catálogo de Estrelas Próximas de Gaia (GCNS, na sigla em inglês) da Agência Espacial Europeia, a equipe identificou 1.715 estrelas em cerca de 300 anos-luz que estavam na ETZ durante os últimos 5 mil anos e outras 319 estrelas que irão entrar nesta zona especial nos próximos 5 anos anos.

Das 2.034 estrelas identificadas, sete são conhecidas por hospedar exoplanetas. Curiosamente, 75 dessas estrelas estão perto de 100 anos-luz, o que significa que estão perto o suficiente para captar nossos sinais de rádio vazando, tornando-nos mais detectáveis. Com os dados coletados pela missão Kepler da NASA, isso leva a cerca de 500 exoplanetas habitáveis ​​em 300 anos-luz e cerca de 29 exoplanetas estimados em 100 anos-luz, e novamente, todos dentro da Zona de Trânsito da Terra.

Em termos de descobertas confirmadas, sete estrelas dentro da ETZ são conhecidas por hospedar exoplanetas, das quais quatro estão perto o suficiente para receber nossas ondas de rádio:

  • Ross 128b (11 anos-luz de distância, com um planeta de massa terrestre na zona habitável);
  • estrela de Teegarden (12,5 anos-luz de distância, com dois planetas de massa semelhante à Terra na zona habitável);
  • GJ 9066 (14,6 anos-luz de distância, com dois exoplanetas gigantes gasosos);
  • e Trappist 1 (40,6 anos-luz de distância, com sete do tamanho da Terra, quatro deles na zona habitável).

A capacidade de Ross 128 de observar a Terra em trânsito no Sol terminou há 900 anos, e a estrela de Teegarden e a Trappist-1 entrarão nesta zona em 29 e 1.642 anos, respectivamente. “O que é fascinante para mim é a natureza dinâmica do nosso cosmos”, disse Kaltenegger. “Qualquer civilização com nosso nível de tecnologia já poderia ter nos visto a partir do Ross 128b — que perdeu esse ponto de vista há cerca de 900 anos. Alguém teria concluído que havia vida inteligente na Terra há 900 anos?”, indaga.

Estrelas não são iguais

É importante ressaltar que nem todas as estrelas são iguais. Das 2.034 estrelas identificadas, apenas 194 são estrelas como o nosso Sol, enquanto 1.520 são anãs vermelhas. Estas últimas podem ser inadequadas para a vida devido à radiação excessiva. (Para vocês nerds da astronomia, o estudo identificou 194 estrelas G, 12 A, duas B, 87 F, 102 K, 1.520 anãs vermelhas, sete L, uma anã T e 109 anãs brancas; também, pelo menos 12 estrelas foram classificadas como gigantes).

Kaltenegger não desanimou ao encontrar tantas anãs vermelhas (também conhecidas como estrelas M), dizendo que às vezes estamos “muito focados na vida como somos”, e os humanos “nunca tiveram que se desenvolver para ambientes de alta radiação, mas provavelmente poderíamos ter”, esclarece.

Apesar da ideia entusiasmada, na Terra, por exemplo, os organismos extremófilos, como bactérias e tardígrados, tendem a ser microscópicos e parece improvável que algum dia sejam capazes de evoluir para inteligências completas, que usam ferramentas. Consequentemente, a nova análise poderia ser melhorada por uma abordagem mais sutil para avaliar o potencial de habitabilidade de um sistema estelar, além de apenas identificar exoplanetas dentro de zonas habitáveis.

Uma nova ferramenta para o SETI 

Deixando essa preocupação de lado, o papel poderia ser bem utilizado na busca por inteligência extraterrestre. Seria inteligente procurar exoplanetas potencialmente habitáveis ​​em torno de estrelas que são capazes de nos detectar por sua vez. A transmissão de mensagens de handshake (via ondas de rádio direcionadas ou luz laser, por exemplo) serviria para confirmar a presença de uma inteligência extraterrestre e dar o pontapé inicial no processo de comunicação interestelar.

Assine a newsletter do Gizmodo

Agora, as chances de que duas civilizações tecnológicas existam aproximadamente ao mesmo tempo e vivam razoavelmente perto uma da outra devem ser extremamente baixas, mas é uma possibilidade que vale a pena considerar.

Além do mais, estamos prestes a ser capazes de detectar bioassinaturas potenciais na atmosfera de exoplanetas próximos, como quantidades anormais de dióxido de carbono atmosférico. O futuro Telescópio Espacial James Webb deve ser capaz de fazer isso, e também devemos assumir que os astrônomos alienígenas têm essa habilidade. Pelo que sabemos, eles podem estar nos observando há anos, e agora é a nossa vez de encontrá-los.