Depois de todo o furor envolvendo a construção de uma nova sede da Amazon, a companhia definiu que irá se instalar em Nova York.

Em um primeiro momento, várias cidades ofereceram subsídios para a gigante, e a escolhida havia sido NY. Porém, após pressão de cidadãos e políticos locais, os benefícios fiscais foram retirados, e a Amazon recuou. Agora, a companhia disse que vai se instalar na cidade mesmo assim.

Na semana passada, a gigante de varejo online assinou um contrato de locação de um escritório de 31.000 m² no bairro de Hudson Yards, de acordo com informações do Wall Street Journal.

Com essa metragem quadrada, a expansão da Amazon vai rivalizar com o tamanho de seus outros escritórios corporativos em Nova York. A nova sede está programada para ser inaugurada em 2021 e empregará mais de 1,5 mil pessoas, informou a empresa em comunicado.

A empresa não vai receber nenhum benefício fiscal ou subsídio do governo para o projeto.

Outra reportagem do WSJ apontou que o Facebook estaria de olho em um espaço de 65.000 m² em Midtown Manhattan, pouco menos de um mês após anunciar a finalização de um contrato de um espaço de quase 140.000 m² no bairro de Hudson Yards.

Então, só para recapitular: depois de muita confusão, a Amazon irá para Nova York. Sem nenhum incentivo de bilhões de dólares. Sem nenhuma batalha entre cidades para saber quem ganharia essa espécie de leilão. Porém, 1,5 mil empregos projetados é um número bem menor do que as 25 mil vagas prometidas no outro empreendimento.

Desde 2019, a Amazon desistiu do plano de construir uma sede satélite porque a companhia sofreu uma forte oposição de políticos locais, ativistas e cidadãos – apesar de algumas pesquisas mostrarem que a maioria dos cidadãos de Nova York eram a favor do projeto.

Entre diversas objeções, os opositores repreendiam o espírito antissindicalista da companhia, criticaram as negociações por terem acontecido secretamente e rechaçaram os US$ 3 bilhões em incentivos que as autoridades municipais prometeram à empresa para trazer o campus para o Queens.

Na época, a Amazon disse, em um comunicado, que “vários políticos estaduais e locais deixaram claro que se opõem à nossa presença e não trabalharão conosco para construir o tipo de relações que são necessárias para avançar com o projeto”.

Mas, assim como qualquer término de relacionamento conturbado, a Amazon superou e seguiu em frente.

O Gizmodo entrou em contato com a Amazon, que enviou o seguinte comunicado:

“Como compartilhamos no início deste ano, planejamos continuar a contratar e crescer organicamente em nossos 18 tech hubs, incluindo a cidade de Nova York. Para apoiar esse crescimento, abriremos um novo escritório em Manhattan em 2021 que abrigará mais de 1,5 mil funcionários de nossas equipes de apoio ao consumidor e de publicidade.”