O relatório de privacidade da Mozilla sobre gadgets retornou um pouco antes da temporada de compras do fim do ano para nos lembrar que os dispositivos inteligentes são mais assustadores do que se imagina. E, como você pode imaginar, muitos dos dispositivos mais populares do mercado foram alvo da companhia.

A fundação sem fins lucrativos liberou o relatório Privacy Not Included (“privacidade não inclusa”, em tradução livre) nesta quarta-feira (20). Este ano, ele avaliou mais de 70 itens populares de diferentes categorias, incluindo brinquedos, itens de entretenimento e vestíveis. Cada dispositivo foi avaliado pelos padrões mínimos empregados de privacidade, como uso de criptografia, protocolos de segurança e de senhas, comunicação de vulnerabilidades e recompensa para quem achar bugs, além de ter uma política clara disponível de privacidade. O guia também responde perguntas se o dispositivo pode monitorar sua localização ou interceptar, se ele compartilha ou permite que o usuário apague dados coletados.

Um emoji interativo na parte de cima oferece uma avaliação rápida dos vários produtos analisados baseada no fator de estranheza.

Neste ano, 60 dos dispositivos avaliados pela Mozilla oferecem os padrões mínimos de segurança da instituição. Gadgets como o Nintendo Switch e Sonos One SL, por exemplo, foram classificados como “não assustadores”.

Enquanto isso, Airpods, iPad e Apple TV ficaram mais abaixo na lista. Embora todos os três cumpram os requisitos mínimos de privacidade da Mozilla, eles têm capacidades que permitem que um agente mal-intencionado espie os usuários por meio de um microfone, câmera ou rastreador de localização — ou os três, como acontece com o iPad — apesar de o relatório elogiar a Apple por seu histórico de privacidade e segurança. Estes produtos da Apple foram classificados como “pouco assustadores”.

Amazon, Google e Facebook, no entanto, também entraram no ranking da Mozilla.

O Google Home, por exemplo, tem os padrões de segurança da Mozilla, mas foi classificado como “super assustador” pelos usuários pelo fato de o Google poder direcionar propagandas aos usuários baseado em tudo que eles já obtiveram sobre ele em buscas e analisando o histórico do navegador, lugares já visitados e todos os outros dados já compartilhados com a companhia. Como diz o relatório, “é tudo diversão e brincadeira até aqueles anúncios políticos segmentados começarem a perseguirem você por toda a internet”.

O alto-falante inteligente Nest Max foi classificado como “muito assustador”, ainda que numa escala menor que o Google Home.

Google Home MiniGoogle Home Mini; no Brasil, a empresa lançou o Nest Mini. Crédito: Gizmodo

O Google não respondeu a uma solicitação de comentário sobre este relatório.

Outro item classificado como “super assustador” foi o Facebook Portal que, milagrosamente, passou por todos os sinais básicos de segurança da Mozilla. Como nota o guia, o Portal só funciona ao conectar-se com uma conta do Facebook. Isso não é uma ótima ideia, dado o histórico da rede no gerenciamento de dados de usuários e suas violações de confiança. Diante de tudo isso, é altamente desaconselhável iniciar uma conversa — usando microfone e uma câmera inteligente — da sua casa. Na verdade, esse foi o dispositivo menos surpreendente do relatório de privacidade da Mozilla.

“O Portal, do Facebook, foi reconhecido pela Mozilla com sua mais alta classificação por atender aos cinco passos básicos que todas as empresas devem tomar para proteger a privacidade do consumidor”, disse a empresa em uma declaração por e-mail, deixando de lado todas as outras questões. “Nós apoiamos a Mozilla em seu esforço contínuo de educar os consumidores sobre a importância da privacidade e da segurança.”

As tomadas inteligentes da Amazon, Fire TV, Fire HD Kids Edition, Fire HD Tablet, Echo Show, os alto-falantes Echo e as câmeras de segurança Ring foram todas classificadas como “assustadoras” em diferentes graus pelos usuários.

O Ring e o Echo Show foram os piores da lista, com a Mozilla designando-os como “super assustadores”. Embora o Echo Show também tenha cumprido as diretrizes básicas de segurança da Mozilla, o relatório ressaltou a coleta de dados e análise feita por humanos que permitia que estranhos ouvissem as conversas.

Por parte da Amazon, a companhia diz que protege a privacidade e segurança dos usuários, além de informar aos consumidores sobre as práticas de dados.

“A confiança é nossa principal prioridade e estamos levando muito a sério a segurança e a privacidade”, disse um porta-voz da Amazon ao Gizmodo. “Desenvolvemos a Alexa e os dispositivos Echo com múltiplas camadas de proteções de privacidade, do microfone aos controles de câmera passando até a possibilidade de ver e apagar gravações de voz”. O porta-voz adicionou ainda que os usuários da Alexa “podem visitar o Privacy Hub, da Alexa, para saber mais sobre estas opções e outros recursos que fornecem transparência e controle sobre a experiência da Alexa” junto com a URL do site.

Amazon Echo DotAmazon Echo Dot. Crédito: Pexels

Diferente do Echo Show, vários produtos Ring não alcançaram os padrões mínimos de segurança da Mozilla. A companhia já cedeu dados à polícia sobre como usuários respondem a requisições de execuções legais, encorajou pessoas a denunciarem vizinhos e solicitou o acesso da polícia aos dados de chamadas do 911 em tempo real — fazendo do Ring um verdadeiro flagelo da privacidade.

A Mozilla não conseguiu concluir se o Ring usava criptografia segura, mas observou sua falta de transparência em relação à privacidade e disse que a empresa “não tem um ótimo histórico para proteger dados de clientes ou contratar engenheiros experientes da área de segurança”.

Medidor de quão assustador um gadget é usado pela MozillaQuão assustador um produto é? Crédito: Mozilla

 

“Dos produtos com classificação ruim, um dos destaques é o Ring”, disse Ashley Boyd, vice-presidente jurídico da Mozilla, ao Gizmodo por telefone. “Achamos que o Ring é bem problemático em termos de não dar informações claras aos consumidores sobre como ele funciona em conjunto com departamentos de polícia e como está utilizando dados dos consumidores”.

Boyd notou que o Ring, em particular, é um bom exemplo de formas que o uso e coleta de dados deveriam ser considerados tanto no nível individual quanto sistêmico. Boyd notou que é importante examinar como os dados estão sendo usados no back-end, como estão sendo usados pela Amazon e como estão sendo usados pelos departamentos de polícia.

Consultada para falar sobre as considerações da Mozilla, o Ring enviou um blog post de outubro em que o fundador da companhia, Jamie Siminoff, detalha como “estamos trabalhando com autoridades policiais e como proteger a privacidade do usuário”.

“Os usuários do Ring confiam em nós para ajudar a proteger suas casas e comunidades, e levamos essa responsabilidade muito a sério”, disse um porta-voz da empresa ao Gizmodo. “O Ring não possui ou controla vídeos dos usuários, e projetamos intencionalmente o Portal Neighbours para garantir que os usuários decidam se devem ou não oferecer voluntariamente seus vídeos à polícia”.

“Achamos isso útil porque os consumidores acham difícil e frustrante procurar em muitos lugares diferentes informações sobre os produtos”, disse Boyd, da Mozilla. “E isso acompanha uma tendência geral de as empresas fazerem um trabalho um pouco melhor de ter políticas de privacidade mais fáceis de ler. Ainda não estamos lá — ainda temos uma certa distância para as pessoas entenderem completamente o que está incluído, mas vemos algum progresso por lá.”

Boyd disse que a maioria das companhias atinge os padrões básicos de segurança da Mozilla, e alguns produtos — como o Parrot Anafi Drone — alcançaram as diretrizes neste ano, algo que não aconteceu no ano passado. A desvantagem, no entanto, é que o preço deste drone em específico aumentou. Boyd acrescentou que é importante que a privacidade não se torne um “prêmio”, acrescentando uma expectativa razoável de que a privacidade esteja disponível em produtos a todos os preços. Ninguém precisa pagar mais pela tranquilidade ao usar seus gadgets.

Para ler a análise completa da Mozilla, basta acessar o site deles, que está em inglês.