Depois de meses de forte oposição de líderes locais, o New York Times informa que a Amazon decidiu desistir de seus planos de instalar uma nova sede satélite no bairro do Queens, em Nova York.

Embora algumas pesquisas mostrassem que os nova-iorquinos em geral eram favoráveis ​​ao projeto — que, segundo projeções, deveria trazer 25.000 empregos em troca de incentivos econômicos que muitos consideram exorbitantes –, os legisladores colocaram forte resistência ao acordo, que criticaram por ter sido realizado em segredo.

Um importante ponto de inflexão ocorreu em uma audiência no Conselho de Nova York no final do mês passado, quando representantes da Amazon afirmaram que a empresa se opunha à sindicalização de seus trabalhadores. Até mesmo o governador Andrew Cuomo, um defensor declarado do acordo com o HQ2 [como está sendo chamado o escritório da Amazon], criticou a postura da Amazon como inconsistente. “O Estado de Nova York é historicamente ligado a sindicatos, e eles deveriam saber disso”, escreveu o governador em um comunicado.

Políticos locais, como o Membro do Conselho Jimmy van Bramer e o senador estadual Mike Gianaris, estiveram na linha de frente da resistência ao acordo, que também incluiu uma coalizão de defensores locais, incluindo a Make the Road, a Tech Workers Coalition, os Democratas Socialistas da América, Sindicato dos Atacadistas e Lojas de Departamentos (RWDSU, na sigla em inglês), e os Teamsters. Esperava-se que Gianaris ocupasse um lugar no Conselho de Controle das Autoridades Públicas, que teria que aprovar o acordo por unanimidade.

“Lutamos por nossos valores”, disse van Bramer durante uma coletiva de imprensa nesta tarde no Gordon Triangle, perto de onde o HQ2 da Amazon deveria ser construído e local de um dos primeiros protestos públicos contra o acordo. “Mesmo quando nos defrontamos com o homem mais rico do mundo e com a corporação mais rica do mundo, nós não nos curvamos […] os valores da Amazon não são os valores de Nova York.” Ele foi acompanhado por representantes da Make the Road, da RWDSU, e da senadora estadual Jessica Ramos.

David Mertz, diretor da RWDSU em Nova York, disse aos repórteres que as pessoas têm o direito de ficar com raiva. “[A Amazon] recusou a cidade de Nova York. Isso me deixa com raiva”, ele disse. “Tudo o que estávamos pedindo era que a empresa tentasse ser um cidadã corporativa responsável. É isso. E eles nos disseram para irmos para o inferno.”

O porta-voz do Conselho, Corey Johnson, caracterizou a decisão da Amazon como um resultado positivo para os moradores de Nova York.

“Estou ansioso para trabalhar com empresas que entendem que, se você estiver disposto a se envolver com os nova-iorquinos e trabalhar em questões desafiadoras, a cidade de Nova York é o melhor do mundo para fazer negócios”, disse Johnson em um comunicado. “Espero que este seja o começo de uma conversa sobre o capitalismo de abutres e sobre onde os nossos impostos seriam melhor aproveitados. Eu sei que eu escolheria o transporte em massa em detrimento de helipontos a qualquer dia.”

O prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio — que trabalhou junto com Cuomo para elaborar em segredo o acordo para trazer o HQ2 — está ridicularizando a empresa por abandonar o plano. “Você tem que ser duro para chegar em Nova York. Nós demos à Amazon a oportunidade de ser um bom vizinho e fazer negócios na maior cidade do mundo”, disse ele em um comunicado. “Em vez de trabalhar com a comunidade, a Amazon descartou essa oportunidade.”

Mike Gianaris, que fez uma curta conferência de imprensa por Periscope, disse que a rejeição efetiva do HQ2 por Nova York “deve ser um ponto de partida para discutir a lógica desses subsídios corporativos”, como o desastre da Foxconn em Wisconsin. “Há uma razão pela qual a Europa proíbe subsídios como esse”, disse Gianaris, “e devemos analisar seriamente se devemos ou não fazer a mesma coisa”.

O senador Bernie Sanders, crítico da Amazon, fez a seguinte declaração sobre a decisão da empresa de não ir para NYC:

As pessoas de Nova York e da América estão cada vez mais preocupadas com o poder das grandes corporações multinacionais e com os bilhões em benefícios que recebem. Nosso trabalho é acabar com essa prática, em que os contribuintes de uma cidade ou estado são obrigados a concorrer uns contra os outros por empregos desesperadamente necessários. É disso que trata a economia manipulada. Eu parabenizo os nova-iorquinos por enfrentar o poder da Amazon.

A deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez também analisou o colapso do acordo com sobre o HQ2. “Isso mostra que os americanos ainda têm o poder de se organizar e lutar por suas comunidades, disse ela, “e eles podem ter mais voz neste país do que o homem mais rico do mundo”.

Parte da longa busca pública da Amazon por uma segunda sede resultou em não um, mas dois locais sendo escolhidos: Nova York e Virgínia. Embora tenha havido alguma resistência local ao outro HQ2, a aprovação de US$ 750 milhões em subsídios para o projeto irmão mais próximo da capital do país passou pela Câmara dos Deputados estadual em menos de dez minutos.

A decisão da Amazon foi divulgada no blog da empresa e está reproduzida abaixo na íntegra:

Depois de muita reflexão e deliberação, decidimos não avançar com nossos planos de construir uma sede para a Amazon em Long Island City, Queens. Para a Amazon, o compromisso de construir uma nova sede requer relações positivas e colaborativas com representantes estaduais e locais eleitos que fornecerão apoio a longo prazo. Enquanto as pesquisas mostram que 70% dos nova-iorquinos apoiam nossos planos e investimentos, vários políticos estaduais e locais deixaram claro que se opõem à nossa presença e não trabalharão conosco para construir o tipo de relacionamento necessário para avançar o projeto que nós e muitos outros imaginamos em Long Island City.

Estamos desapontados por termos chegado a essa conclusão – amamos Nova York, seu incomparável dinamismo, pessoas e cultura – e particularmente a comunidade de Long Island City, onde conhecemos tantos líderes comunitários otimistas e avançados, pequenas empresas. proprietários e residentes. Existem atualmente mais de 5.000 funcionários da Amazon no Brooklyn, Manhattan e Staten Island, e planejamos continuar crescendo nessas equipes.

Somos profundamente gratos ao Governador Cuomo e ao prefeito de Blasio, bem como a suas equipes, que tão entusiastica e graciosamente nos convidaram para construir na cidade de Nova York e nos apoiaram durante o processo. O governador Cuomo e o prefeito de Blasio trabalharam incansavelmente em nome dos nova-iorquinos para incentivar o investimento local e a criação de empregos, e não podemos falar suficientemente sobre todos os seus esforços. O firme compromisso e dedicação que esses líderes demonstraram às comunidades que representam nos inspiraram desde o início e são uma das grandes razões pelas quais nossa decisão foi tão difícil.

Não pretendemos reabrir a pesquisa do HQ2 neste momento. Continuaremos conforme o planejado no norte da Virgínia e em Nashville, e continuaremos a contratar e crescer em nossos 17 escritórios corporativos e centros de tecnologia nos EUA e no Canadá.

Obrigado novamente ao governador Cuomo, ao prefeito de Blasio, e aos muitos outros líderes comunitários e residentes que receberam nossos planos e nos apoiaram ao longo do caminho. Esperamos ter chances futuras de colaborar enquanto continuamos a construir nossa presença em Nova York ao longo do tempo.

Em meio à enxurrada de notícias de que a Amazon abandonaria os planos de construir uma sede em Nova York e não tentaria reabrir a busca por uma base de operações de reposição, a empresa também anunciou que estaria encerrando sua expansão em Seattle, sua cidade natal.