Os usuários dos processadores Ryzen da AMD podem ter uma surpresa desagradável ao atualizarem o sistema operacional de seus computadores para o Windows 11. A empresa anunciou em uma postagem de suporte que os chipsets podem ter uma queda de desempenho em alguns aplicativos.

De acordo com a marca, um dos problemas de desempenho é causado pelo aumento na latência do cache L3. O cache é uma memória temporária que armazena dados em uma parte do sistema operacional. Essa memória guarda dados de websites visitados frequentemente para proporcionar um carregamento mais rápido da página, por exemplo. O cache também armazena informações de aplicativos e games.

A queda de desempenho durante a execução do Windows 11 para proprietários de processadores Ryzen é uma péssima notícia, principalmente para quem joga no PC — usuários que, certamente, serão os mais impactados pelo problema.

Segundo a AMD, essa latência, tempo entre a emissão de um comando e a resposta, pode ser de 3% a 5% maior. Em casos extremos, chamados de “outliers” pela empresa, os processadores Ryzen podem ficar até 15% mais lentos, principalmente em games de e-sports populares.

Outro problema foi identificado no sistema UEFI CPPC2 (Collaborative Power and Performance Control 2), que verifica qual é o núcleo mais rápido para realizar uma tarefa específica e comunica ao sistema operacional. Por uma razão ainda desconhecida, o sistema falha em identificar os threads mais eficientes para executar as tarefas. Assim, “aplicativos sensíveis ao desempenho de um ou alguns threads do processador” podem ter resposta mais lenta.

“O impacto no desempenho pode ser mais detectável em processadores com mais de 8 núcleos acima de 65W TDP”, afirmou a AMD.

A empresa revelou que uma atualização de software para corrigir os problemas de desempenho está em desenvolvimento e deve ser disponibilizada ainda no mês de outubro.