Um estudante que mora Londres foi condenado por usar uma impressora 3D para fazer uma arma — que não se parecia em nada com uma arma. Na quarta-feira (19), Tendai Muswere se declarou culpado de fabricar uma arma de fogo letal com uma impressora 3D depois de assistir a vídeos sobre o assunto na internet. A arma em questão se assemelha a um revólver pimenteiro, popular no início do século 19 nos EUA. Muswere diz que ele fez a arma para um projeto de filme universitário “distópico”, mas também há evidências de um novo movimento global de fabricação de armas com impressoras 3D que acontece nos cantos escuros da internet. É muito estranho, mas é real e é assustador.

A polícia diz que Muswere é a primeira pessoa condenada na Grã-Bretanha por fabricar uma arma com uma impressora 3D. Autoridades inicialmente invadiram sua casa investigando uma acusação relacionada a drogas em outubro de 2017 e encontraram componentes de uma arma feita por uma impressora 3D. Eles então encontraram mais peças em uma busca feita em fevereiro de 2018. Muswere alegou que ele imprimiu a arma de fogo para um projeto de filme “distópico” — ele não forneceu detalhes adicionais sobre o projeto. A polícia também disse que ele planejava revestir os canos das armas impressas em 3D com aço para torná-las letais.

Isso tudo já seria bastante assustador por si só. No entanto, no mês passado, a Wired UK informou sobre uma nova onda de entusiastas de armas feitas em impressoras 3D, que compartilham projetos em locais como Discord e fóruns de controle de armas online. Os planos variam desde pistolas Glock 17 até AR-15, e há entusiasmo pela disseminação sem lei dos projetos digitais de armas de fogo. Eles chamam seu grupo de Deterrence Dispensed (Dissuasão Dispensada, em tradução livre), que é uma referência óbvia à Defense Distributed, a organização que iniciou o debate sobre armas de fogo impressas em 3D nos Estados Unidos. Jake Hanrahan, da Wired UK, conversou com um membro da comunidade que usa o apelido Ivan the Troll:

Eles estão enviando esses arquivos individualmente em serviços como o Spee.ch, um site de hospedagem de mídia apoiado pelo blockchain LBRY, e eles não esperam que nenhum tipo de permissão. Eles criaram seus próprios projetos de armas impressas em 3D, modificaram os antigos e os mantêm disponíveis gratuitamente no Defense Distributed.

Um estudante que mora Londres foi condenado por usar uma impressora 3D para fazer uma arma — que não se parecia em nada com uma arma. Na quarta-feira, Tendai Muswere se declarou culpado de fabricar uma arma de fogo letal com uma impressora 3D depois de assistir a vídeos sobre o assunto na internet. A arma em questão se assemelha a um revólver pimenteiro, popular no início do século 19 nos EUA. Muswere diz que ele fez a arma para um projeto de filme universitário “distópico”, mas também há evidências de um novo movimento global de fabricação de armas com impressoras 3D que acontece nos cantos escuros da internet. É muito estranho, mas é real e é assustador.

Isso tudo já seria bastante assustador por si só. No entanto, no mês passado, a Wired UK informou sobre uma nova onda de entusiastas de armas feitas em impressoras 3D, que compartilham projetos em locais como Discord e fóruns de controle de armas online.

Os planos variam desde pistolas Glock 17 até AR-15, e há entusiasmo pela disseminação sem lei dos projetos digitais de armas de fogo. Eles chamam seu grupo de Deterrence Dispensed (Dissuasão Dispensada, em tradução livre), que é uma referência óbvia à Defense Distributed, a organização que iniciou o debate sobre armas de fogo impressas em 3D nos Estados Unidos. Jake Hanrahan, da Wired UK, conversou com um membro da comunidade que usa o apelido Ivan the Troll:

Eles estão enviando esses arquivos individualmente em serviços como o Spee.ch, um site de hospedagem de mídia apoiado pelo blockchain LBRY, e eles não esperam que nenhum tipo de permissão. Eles criaram seus próprios projetos de armas impressas em 3D, modificaram os antigos e os mantêm disponíveis gratuitamente no Defense Distributed.

“Mesmo se não houvesse um governo me dizendo que eu não poderia fazer isso, acho que ainda faria isso”, diz Ivan. “Algumas pessoas gostam de videogames, eu gosto de passar horas e horas desenhando coisas no CAD.”

Parece um jogo, mas é um jogo que gira em torno da criação e disseminação de projetos de armas feitas em impressoras 3D. A fabricação e a venda desse tipo de artefato já foram banidas pela Assembleia Legislativa de Nova York e também são ilegais no Reino Unido. No entanto, é preocupante ver um crescimento internacional do movimento de armas feitas em impressoras 3D a ponto de voltar a ser manchete

O debate sobre armas de fogo desse tipo estava quieto desde que o fundador da Defense Distributed, Cody Wilson, foi preso e acusado de agressão sexual a um menor no ano passado. O ativista tinha sido o rosto público de um movimento para projetos públicos de armas desde 2012, e as acusações de abuso sexual rapidamente levaram ao seu desligamento da Defense Distributed. Sem um líder claro, no entanto, parece que o movimento da arma impressa em 3D se tornou amorfo e inevitavelmente resiliente.

Nós não sabemos onde Muswere conseguiu os projetos para imprimir uma arma em 3D, mas sabemos que ele foi capaz de fazer isso. Essa é a próxima fase assustadora deste ameaçador movimento tecnológico. Não existe uma organização necessariamente ligada à descoberta de uma arma impressa em 3D. Os projetos estão abertos, na internet. As pessoas com meios podem usá-los para imprimir armas de fogo, e talvez mais motivos obscuros, como um projeto de filme distópico, expliquem por que estão fazendo isso.

Fato é que essas pessoas estão fazendo isso, e nossa realidade está cada vez mais próxima de um filme distópico.