A pesquisa de mercado de smartphones* realizada pelo NPD Group coloca as vendas totais do iPhone no primeiro trimestre, nos EUA, em 21% — terceiro lugar no ranking. O segundo lugar vai, pela primeira vez, para o Android, com 28%. O número um nos EUA é a plataforma BlackBerry, com 36%.

De acordo com Ross Rubin, diretor-executivo de análise de indústria da NPD, o maior fator do crescimento do Android nas vendas de smartphone nos EUA foi a distribuição e promoção de operadoras:

Para competir com o iPhone, a Verizon Wireless expandiu sua oferta de "leve dois, pague um" para além dos aparelhos da RIM [BlackBerries] e agora inclui todos os smartphones deles [a Verizon não vende iPhones].

Ainda assim, como se pode ver no gráfico abaixo (via MediaMemo), o aumento do Android na participação das vendas totais de smartphone impressiona. O salto no quarto trimestre de 2009 é devido principalmente ao lançamento — e sucesso — do Milestone nos EUA (ou Droid, como ele é conhecido por lá).

Mas, como a PC World lembra, as vendas no trimestre não correspondem à participação total de mercado:

…o Android teve um bom trimestre, mas ainda está atrás da RIM, Apple e até mesmo do Windows Mobile em participação total de mercado, de acordo com estatísticas recentes da ComScore. O sistema operacional do Google tinha 9% do mercado [nos EUA] em fevereiro de 2010, comparado com os 25,4% do iPhone, então o Android não vai alcançar a concorrência tão cedo, se alcançar.

Bem, com o iPhone 4 chegando em breve, a HP comprando a Palm, e o Windows Phone 7 no horizonte, a guerra de smartphones só tende a esquentar. [BusinessWire]

* Metodologia: O NPD Group compila e analisa os dados de vendas de dispositivos móveis baseado em mais de 150.000 questionários de pesquisa de consumidores, preenchidos online e completos, a cada mês. As pesquisas são baseadas em uma amostra equilibrada nacionalmente e demograficamente representativa, e os resultados são projetados para representar toda a população de consumidores americanos. Nota: os números de vendas não incluem vendas de celulares para corporações ou empresas.