A maioria dos robôs não têm perfil no IMDb. A Geminoid F não é como a maioria dos robôs.

O androide feminino com cabelos escuros é assustadoramente parecido com uma pessoa, e é listado como uma das estrelas de Sayonara, um longa-metragem que estreia em novembro no Japão.



Certamente não é a primeira vez que um robô apareceu em um filme com um ser humano. Mas a Geminoid F não só realmente parece uma pessoa, como está recebendo o mesmo tratamento de uma estrela, listada nos créditos como atriz principal e aparecendo ao lado de co-estrelas em conferências de imprensa.

Sayonara estreou no Tokyo International Film Festival na semana passada. A história acompanha um futuro próximo no Japão pós-nuclear, quando uma jovem mulher doente encontra uma amiga reconfortante com traços maternos em um androide. O filme é a adaptação para o cinema de uma peça de teatro, na qual o androide – que fala japonês e fica em uma cadeira de rodas – também estrelou por cinco anos.

“De certa forma, esta é uma nova forma de teatro de fantoches”, disse Bryerly Long – a humana que também protagoniza o filme – em uma conferência de imprensa no Tokyo International Film Festival, “enquanto sua co-estrela androide estava sentada calmamente ao lado”, segundo a Variety. Long e o androide também apareceram juntas na versão para teatro.

O robô é tecnicamente impressionante. O Geminoid F foi criado pelo renomado designer de robôs Hiroshi Ishiguro, que também foi “conselheiro de androide” para Sayonara. Ele é professor de engenharia na Universidade de Osaka, e é conhecido por seus androides incrivelmente realistas com movimentos faciais detalhados. Ishiguro até criou uma versão androide de si próprio.

E o androide atua bem? O Hollywood Reporter descreve a atuação da Geminoid F como “limitada” e “menos que efusiva”. Mas ela também é “infalivelmente educada de uma maneira muito japonesa”, e “imprime uma poesia imortal com sentimento e sensibilidade estética”.

Atores robóticos não vão dominar Hollywood. Para robôs decolarem em uma dada área, eles precisam (a) assumir tarefas que a maioria dos humanos simplesmente não querem fazer, e (b) fazer isso melhor do que humanos. Atuar não é uma dessas coisas.

Talvez um dia, um robô poderia realmente responder de forma crível e com sentimento real na tela, respondendo a falas com mais nuance e amplitude. Mas, por enquanto, os robôs parecem estar presos no vale da estranheza.

Sayonara estreia em 21 de novembro nos cinemas do Japão; não foram anunciados lançamentos no exterior.

[Variety e Hollywood Reporter]

Imagem via Tokyo International Film Festival