Nasa celebra aniversário do Telescópio Hubble com nova imagem de uma estrela “vulcânica”

Neste 31º aniversário do lançamento do Telescópio Espacial Hubble, a Nasa e a ESA divulgaram uma nova imagem da estrela AG Carinae.

A estrela gigante AG Carinae. Crédito: Hubble/Nasa/ESA

Para comemorar o 31º aniversário do lançamento do Telescópio Espacial Hubble, os astrônomos da Nasa e da ESA divulgaram uma nova imagem impressionante para celebrar as conquistas deste observatório lendário.

A imagem recém-lançada do Hubble, obtida em luz visível e ultravioleta, mostra a AG Carinae, uma estrela Luminosa Azul Variável (LBV) localizada a 20.000 anos-luz da Terra. Esta estrela é absolutamente gigantesca, contendo uma massa 70 vezes maior que o nosso Sol.

Como um globo ocular olhando para nós, AG Carinae é uma estrela gigante cercada por uma nuvem de gás e poeira em expansão conhecida como nebulosa. Incrivelmente, essa nebulosa mede cinco anos-luz de largura — uma distância maior do que a que separa nosso Sol de Proxima Centauri, nosso vizinho estelar mais próximo. A AG Carinae sofreu uma erupção violenta em seu passado, resultando na feição proeminente.

As camadas avermelhadas da nebulosa contêm gás hidrogênio brilhante misturado com gás nitrogênio, enquanto as áreas azuladas são densos bolsões de poeira. Os ventos dentro da estrutura “viajam a até 1 milhão de quilômetros por hora, cerca de 10 vezes mais rápido do que a nebulosa em expansão”, explica o comunicado de imprensa do Hubble. “Com o tempo, o vento quente alcança o material expelido mais frio, penetra nele e o empurra para longe da estrela.” O efeito resultante formou a cavidade circular vista na imagem acima.

A concha em rápida expansão é o resultado da camada externa da estrela sendo lançada para o espaço. A quantidade de material embalado dentro da nebulosa é aproximadamente igual a 10 vezes a massa do nosso Sol. As LBVs podem estar entre as maiores e mais brilhantes estrelas da galáxia, mas têm vida excepcionalmente curta, morrendo após 5 milhões a 6 milhões de anos. Nosso Sol, em contraste, está na metade de sua vida de 10 bilhões de anos.

Acredita-se que as explosões de LBV acontecem em várias ocasiões durante a vida de uma estrela. A causa tem a ver com a tensão constante entre a pressão da radiação empurrando para fora e a imensa gravidade puxando para dentro. Como o comunicado de imprensa do Hubble explica, esta “queda de braço resulta na expansão e contração da estrela”, e a “pressão externa ocasionalmente vence a batalha, e a estrela se expande para um tamanho tão imenso que explode suas camadas externas, como um vulcão em erupção.” A estrela sobrevive ao grande arroto e o processo se renova.

Eventualmente, no entanto, essas estrelas provavelmente encontrarão seu destino em uma supernova catastrófica, na qual toda a estrutura é lançada para o espaço. Essas explosões resultam na morte da estrela, mas as explosões de supernovas são a principal fonte de elementos pesados ​​no universo — o que significa que os humanos não estariam aqui sem eles.

Feliz aniversário, Hubble! E continue nos surpreendendo.

Sair da versão mobile