Imagine isso: 20 graus Celsius. Você está com uma jaqueta jeans fina. Você está tomando um gin tônica. Você está em um piquenique e comendo todo tipo de comida. Ah, e o vento está no seu cabelo. Seria um dia ótimo, se não fosse na Antártica.

É sério, a Antártica está bem agradável. No domingo, a Ilha Seymour — uma cadeia de ilhas na península antártica — registrou uma temperatura de 20,75 graus Celsius, pela primeira vez. Isso é quase um grau superior ao recorde anterior de 19,8 graus Celsius.

“Estamos vendo a tendência do aquecimento em muitos dos locais que estamos monitorando, mas nunca vimos nada parecido”, disse Carlos Schaefer, cientista brasileiro que trabalha no Terrantar estudando a Antártica, ao Guardian, que reportou em primeira mão esta história. O Terrantar é um projeto do governo brasileiro que monitora o impacto da mudança climática no permafrost (o solo do Ártico) e biologia em 23 locais da Antártica.

Os cientistas brasileiros que aferiram a temperatura precisarão ainda ter a confirmação da Organização Mundial de Meteorologia para oficializar o recorde, mas infelizmente, 20 graus Celsius parecem consistentes com as tendências de aquecimento da Ilha Seymour. A península da ilha fica em uma das áreas de aquecimento mais rápido do mundo. Embora em média a Terra tenha esquentado cerca de 1 grau Celsius desde os tempos pré-industriais, a península antártica se aqueceu 12 graus nos últimos 50 anos. Graças à indústria de combustível fóssil.

O novo recorde foi estabelecido apenas dois dias depois que uma temperatura de 18,3 graus Celsius foi registrada no continente antártico, quebrando o recorde anterior estabelecido em 2015.

Essas temperaturas crescentes estão contribuindo para a rápida perda de gelo na Antártica, que é o maior estoque de gelo do mundo. As águas quentes representam a maior ameaça para as prateleiras de gelo que flutuam para o mar. Mas com o aumento da temperatura do ar, o derretimento da superfície também está se tornando uma preocupação maior.

Todo esse gelo derretido é uma má notícia para animais (como pinguins!) e ecossistemas que dependem do gelo marinho para sobreviver. Também é uma má notícia para nós, seres humanos, porque quando o gelo terrestre derrete, aumenta o nível do mar.

A Antártica Ocidental — a região mais ameaçada do continente gelado — tem gelo suficiente para elevar o nível do mar em 10 pés (3 metros). Isso seria devastador para muitas cidades costeiras. Se todo o gelo da Antártica derretesse, nossos oceanos subiriam cerca de 200 pés (quase 61 metros). Embora não seja iminente, provavelmente devemos parar de emitir gases de efeito estufa apenas para garantir que não descubramos como isso seria.