O caso Alec Baldwin ganhou novos desdobramentos. Na quinta-feira (21), durante as gravações de Rust, o ator atirou acidentalmente e causou a morte da diretora de fotografia Halyna Hutchins e ferimentos no diretor Joel Souza. 

Agora, novos depoimentos da equipe apontam que horas antes do incidente a arma já havia disparado no set de filmagem. Os operadores de câmera e seus assistentes ficaram assustados com as condições de trabalho e o baixo orçamento do filme e pediram demissão horas antes da morte de Hutchins. As informações são do site Deadline.

A fonte, que preferiu não se identificar, disse que uma arma teve duas falhas de ignição em uma cabine fechada. “Uma pessoa estava segurando-a nas mãos e disparou.” 

De acordo com um depoimento feito pela polícia local, obtido pelo New York Times (NYT) e pela Associated Press, a arma entregue a Alec Baldwin nas filmagens foi declarada segura pelo assistente de direção da produção. 

O texto aponta que o assistente teria gritado antes do incidente: “arma fria”, indicando que o objeto auxiliar era seguro para uso e não continha nenhuma munição real. O NTY  informa que o depoimento, arquivado em um tribunal, continha um mandado de busca concedido por um juiz estadual, solicitando a investigação do prédio onde ocorreu a fatalidade.

Segundo a publicação, o mandado também inclui a obtenção de evidências biológicas da arma auxiliar e a revisão de qualquer imagem que possa ter sido gravada. Em resposta ao Deadline, a Rust Produções enviou a seguinte nota:

A segurança do nosso elenco e equipe é a maior prioridade da Rust Produções e todos associados com a empresa. Embora não estivéssemos cientes de nenhuma reclamação oficial sobre a segurança de armas e objetos cenográficos no set, vamos realizar uma revisão interna de nossos procedimentos enquanto a produção estiver interrompida. Nós vamos continuar a cooperar com as autoridades de Santa Fé na investigação e oferecer serviços de apoio à saúde mental ao elenco e à equipe neste tempo trágico”.

Assine a newsletter do Gizmodo

Juan Ríos, porta-voz da polícia, disse ao The Hollywood Reporter que uma investigação está em andamento e nenhuma queixa ou acusação foi registrada. No Twitter, Baldwin lamentou a morte da colega e disse que está “cooperando totalmente com a investigação policial para entende como essa tragédia ocorreu.”

[The New York Times]