Usando radar de penetração de solo, arqueólogos na Noruega descobriram um antigo navio viking enterrado a apenas 50,8 cm abaixo da superfície do campo de um fazendeiro. O navio, de 18 metros de comprimento, deliberadamente enterrado durante um ritual fúnebre, parece surpreendentemente intacto — e pode conter os restos mortais de um guerreiro viking de alto escalão.

Chamado de Navio Jellstad, ele foi descoberto em terras agrícolas no condado de Østfold, no sudeste da Noruega. O local, conhecido como Viksletta, fica perto do grande e totalmente intacto cemitério Jelle, que pode ser visto a partir da movimentada rodovia norueguesa Rv41 118.

Garota de 8 anos encontra espada de era pré-viking em lago da Suécia
Arqueólogos descobrem fortaleza viking de 1.000 anos atrás

Arqueólogos do Instituto Norueguês de Pesquisa do Patrimônio Cultural (NIKU), com a ajuda de especialistas em radar do Instituto Ludwig Boltzmann de Prospecção Arqueológica e Arqueologia Virtual, detectaram a embarcação usando um radar móvel de penetração de solo. A descoberta é significativa, à medida que é apenas o quarto navio viking enterrado a ser descoberto, segundo Knut Paasche, chefe do Departamento de Arqueologia Digital do NIKU.

Viksletta: círculos vermelhos mostram os locais dos túmulos, retângulos laranja mostram as casas compridas, e o objeto verde em formato de olho é o antigo barco.

Além do navio, as imagens do radar revelaram oito túmulos anteriormente desconhecidos e várias casas compridas. Todos os oito túmulos foram arados pelos fazendeiros, mas evidências suficientes permaneceram abaixo da superfície de forma que os pesquisadores conseguissem identificá-los como tal.

Em um comunicado, Morten Hanisch, o conservador do condado em Østfold, disse que os arqueólogos “têm certeza de que há um navio lá, mas o quanto ele está preservado é difícil de dizer antes de mais investigações”.

Os pesquisadores ainda não cavaram o solo, já que esperam realizar o máximo de trabalho não invasivo possível usando “todos os meios modernos da arqueologia”, disse Paasche. De fato, as madeiras do navio, uma vez expostas aos elementos, começarão a degradar imediatamente. Além disso, as varreduras com o radar mostram o navio em sua condição não perturbada. Os pesquisadores planejam realizar mais varreduras na área, mas não descartaram uma escavação do navio em algum momento no futuro.

O navio está apenas 50 centímetros abaixo do solo e tem cerca de 20 metros de comprimento. Varreduras preliminares sugerem que a quilha do navio e as vigas de seu piso ainda estão intactas. Embora os pesquisadores ainda não tenham datado esse local, sítios arqueológicos semelhantes na Noruega datam de cerca de 800 d.C.

Versão de um artista para o navio antes de ser enterrado. Ilustração: NIKU

Os pesquisadores dizem que o navio foi deliberadamente enterrado em um túmulo, o que não é tão extraordinário quanto parece. Barcos e navios eram um aspecto indelével da cultura viking, usada para transporte, comércio e conquista no norte da Europa até cerca de mil anos atrás. Os navios eram preciosos e considerados símbolos de riqueza e status. Arqueólogos encontraram navios enterrados antes, alguns até contendo corpos. Em 2011, por exemplo, arqueólogos na Escócia descobriram um barco de cinco metros de comprimento com um guerreiro dentro, junto com seu escudo, espada, lança e outros bens de sepultura.

Esse navio recém-descoberto pode ter sido parte de um cemitério, que foi “claramente projetado para exibir poder e influência”, disse o arqueólogo e líder do projeto, Lars Gustavsen, em um comunicado. Existe uma possibilidade bem real de que o Navio Jellstad contenha os restos de um viking de alto escalão, mas isso ainda precisa ser comprovado. Não está claro se o radar de penetração de solo conseguiu detectar vestígios de um corpo ou de corpos; para isso, escavações no solo podem ser necessárias.

Cinco casas compridas — ou corredores — também foram descobertas pelos pesquisadores, algumas das quais eram bastante grandes. Os cientistas disseram que o local se assemelha a um outro sítio arqueológico viking: o sítio Borre, no condado de Vestfold, no lado oposto do fiorde de Oslo.

Todas essas descobertas são bastante preliminares, e os pesquisadores estão se preparando para o próximo estágio do projeto, que irá envolver varreduras mais profundas do sítio arqueológico Viksletta usando métodos geofísicos não-invasivos extras. A descoberta desse navio antigo é muito empolgante, mas o melhor pode estar ainda por vir.

[Instituto Norueguês de Pesquisa do Patrimônio Cultural]

Imagem do topo: O navio enterrado como visto pelo radar de penetração de solo. Crédito: NIKU