Anvisa aprova 1º medicamento preventivo para Covid

Medicamento da AstraZeneca se mostrou eficaz em evitar quadros graves e mortes - e pode ajudar transplantados, pessoas com HIV ou em tratamento de câncer

Medicamento preventivo para Covid

Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil/Reprodução

Nesta quinta-feira (24), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial do Evulsheld, medicamento preventivo para Covid-19 desenvolvido pela AstraZeneca. Este é o sétimo remédio autorizado para a doença no Brasil e o primeiro voltado ao tratamento preventivo. 

O medicamento, também conhecido por AZD7442, combina os anticorpos monoclonais  tixagevimab e cilgavimab. Ele é aplicado por meio de uma injeção intramuscular em pessoas que não tiveram contato com o vírus. 

O uso do Evulsheld não substitui a vacinação. Na verdade, ele é voltado para pessoas com sistema imunológico enfraquecido, como aquelas que passaram por transplante, pessoas vivem com HIV ou estão em tratamento de câncer. Pacientes alérgicos ao imunizante também entram na lista. O remédio é contraindicado para menores de 14 anos e pessoas com menos de 40 kg.

De acordo com a AstraZeneca, o medicamento preventivo se mostrou eficaz em reduzir o risco de Covid-19, além de evitar quadros graves e mortes. O remédio também parece atuar contra as diversas variantes do Sars-CoV-2, incluindo a ômicron. A solicitação da farmacêutica para uso emergencial do medicamento no Brasil foi feita em dezembro de 2021.

Agora, o Ministério da Saúde está conversando com a AstraZeneca para adquirir lotes do produto. Além do Brasil, o remédio já recebeu autorização para uso emergencial nos Estados Unidos, França, Israel, Itália, Barein, Egito e Emirados Árabes Unidos. Há ainda um processo em análise pela Agência Europeia de Medicamentos.

Sair da versão mobile