A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta segunda-feira (29) um novo medicamento que deve auxiliar no tratamento do HIV. Chamado de Dovato, ele combina as substâncias lamivudina e dolutegravir sódico em um único comprimido, e deve ser administrado em doses diárias.

Existem outros medicamentos no mercado voltados para o vírus causador da Aids que também são oferecidos em dose única. Mas este é o primeiro com potencial para ser utilizado logo no início do tratamento.

A Anvisa disse em comunicado que, devido a facilidade de ter dois antirretrovirais em apenas um comprimido, o tratamento será facilitado e deve ter uma maior adesão entre os pacientes. 

O laboratório responsável pelo Dovato é o GlaxoSmithKline Brasil Ltda que, para obter o registro do medicamento, apresentou dados de estudos de eficácia e segurança feitos com mais de 1.400 adultos que vivem com HIV ao redor do mundo. Foram utilizados também dados do estudo Tango, exibidos na Conferência Internacional da Sociedade de AIDS sobre Ciência do HIV 2021.

O medicamento funciona em duas frentes: primeiro, ele reduz a quantidade de HIV no organismo, mantendo-a em um nível baixo. Ao mesmo tempo, promove o aumento na contagem das células CD4, um tipo de glóbulo branco do sangue que exerce papel importante na manutenção de um sistema imune saudável. Dessa forma, fica mais fácil para o organismo combater infecções.

Os médicos poderão prescrever o Dovato para adultos e adolescentes acima dos 12 anos com peso acima dos 40 kg. O tratamento para pessoas que vivem com HIV, independentemente da carga viral, é assegurado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) desde 2013. O próprio dolutegravir 50 mg foi introduzido no sistema em 2016 e, hoje, é distribuído para mais de 400 mil pacientes.

O medicamento é contraindicado para pacientes alérgicos ao dolutegravir ou lamivudina. Grávidas e lactantes também devem avaliar os riscos do uso do Dovato com seus médicos. Além disso, a administração do medicamento combinada a alguns remédios para problemas cardíacos e esclerose múltipla não é recomendada. Você pode acessar a bula completa do medicamento clicando aqui.