Eu passei pouco tempo com o Duo e o Neo, os novos dispositivos de duas telas da Microsoft, mas esse pouco tempo deixou uma coisa clara: a Microsoft tem uma abordagem totalmente diferente de dispositivo dobrável do que quase todo mundo.

Vimos um número surpreendente de dispositivos que mudam de forma este ano. Vimos aqueles que se dobram como um taco recheado demais e outros que se encaixam com uma tela que parece girar totalmente. Quase todos eles são tablets flexíveis. Isso faz com que o novo telefone e minúsculo laptop da Microsoft se destaquem.

Tudo em relação ao design do Duo e do Neo reforça o fato de que estes são genuínos dispositivos de duas telas e não tablets dobráveis. Em vez de criar uma grande tela dobrável que desilude com a estrutura desajeitada, a Microsoft parece acreditar que pode oferecer uma experiência melhor com duas telas.

Isso está evidente nos materiais de alto nível que a empresa escolheu. A Microsoft quis usar o Gorilla Glass para proteger os monitores e uma dobradiça completa de 360 ​​graus, o que seria impossível com um painel OLED flexível.

smartphone Surface DuoO smartphone Surface Duo. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Dois monitores significam, naturalmente, que há uma pequena brecha entre o local onde os monitores se encontram. Essa lacuna é ocupada por moldura, dobradiça e um pouco de ar. A brecha mede cerca de 8,9 mm no laptop Neo, e menos no telefone Duo. Os dois monitores do Neo têm 9 polegadas cada de diagonal quando medidos separadamente, mas se você tentar usar o Neo como um tablet, os monitores combinados têm uma medida diagonal de 13,1 polegadas. O Duo é composto de duas telas de 5,6 polegadas, que medem 8,3 polegadas na diagonal quando montadas.

Apesar de ver apenas com uma unidade de demonstração de pré-produção (ela não estava ligada), fiquei impressionada que o Duo faz um trabalho decente se passando por telefone. Quando coloquei meu iPhone 11 Pro em cima do Duo, notei que uma única tela era cerca de três quartos de polegada mais larga que o meu telefone. Quando fechei o Duo, ele era um pouco mais grosso, mas parecia igualmente pesado. A parte de trás do dispositivo parecia composta inteiramente de vidro (presumivelmente o mesmo Gorilla Glass usado nos monitores).

Microsoft Surface NeoO Neo. Foto: Alex Cranz/Gizmodo

O Neo que eu peguei também estava desligado. O teclado, que provavelmente será vendido separado, se prende magneticamente à parte traseira do dispositivo como uma grande e feia faixa cinza. Ele sai e conecta-se à tela com bastante facilidade e permanece no local, mesmo com um movimento suave de todo o dispositivo.

O teclado possui um design de modo que, quando você fecha o Neo com o teclado na tela, há uma pequena lacuna. Digitar no teclado foi surpreendente. É um pequeno acessório com qualidade muito mais alta do que o terrível teclado para iPad da Apple. Teclas mais ágeis e digitação mais rápida.

Mas é pequeno. A melhor comparação é, novamente, com o iPad, especificamente o iPad Pro de 9,7 polegadas. Se você achou que as teclas estavam muito comprimidas no dispositivo da Apple, você vai sofrer com o teclado do Neo. Tenho mãos menores que a maioria das pessoas e tenho poucos problemas com o iPad, mas notei muito a falta de espaço quando digitei rápido algumas frases no Neo.

Smartphone de duas telas Microsoft Surface DuoMais uma foto do Surface Duo. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Da maneira como está, digitar no Duo com uma mão será complicado. Mesmo dobrado e apenas usando uma única tela, o aparelho é muito largo. Usar as duas mãos será melhor nesse caso. Teoricamente, você poderia colocar o Duo na horizontal e digitar dessa maneira, mas a lacuna no centro do dispositivo dividiria o teclado. Segurá-lo como um laptop minúsculo e digitar as palavras com os polegares faz mais sentido. Uma tela funcionará como teclado enquanto a outra opera como um monitor típico no modo paisagem.

A Microsoft prevê alguns modos principais de usar os dois dispositivos. Por exemplo, no modo “Livro”, você os segura da mesma forma que um livro real, com os dois monitores funcionando como duas páginas visíveis. Um modo “Composition” deve facilitar a transformação de um lado do dispositivo em um teclado e o outro como uma exibição tradicional.

Há outro modo em que as duas telas operam como elementos distintos, independentes uma da outra. Se você tocar em um aplicativo em uma tela, ele deve abrir nessa tela, não nas duas, ou no meio – com a lacuna da dobradiça dividindo-o.

O gerenciamento de janelas no Neo precisará ser contínuo. No tempo limitado, vi funcionários da Microsoft usá-lo e não notei nenhuma falha chocante. Essa é uma melhoria bem-vinda em comparação com os protótipos que vimos da Dell e da Lenovo e com dispositivos Windows de tela dupla já disponíveis na HP e Asus.

Curiosamente, com o Duo, há mais gerenciamento de janelas do que em outros dispositivos Android flexíveis. O Galaxy Fold e o Mate X se dobram em grandes tablets quadrados, então a Samsung e a Huawei não precisaram modificar significativamente o Android para fazê-lo funcionar. Esse não é o caso do Microsoft Surface Duo. Espera-se que a Microsoft e o Google trabalhem amplamente juntos para ajustar o Android para melhorar o gerenciamento de janelas e, na demonstração que vi, parecia funcionar sem problemas.

A extensão da parceria ainda não está clara. Presumivelmente, a versão do Android no Duo não será como o original, então você terá que esperar por atualizações, mas a Microsoft não está compartilhando detalhes sobre esse assunto no momento.

Os desenvolvedores de aplicativos deverão ter APIs disponíveis da Microsoft para fazer com que seus aplicativos funcionem melhor com dispositivos de exibição dupla. Não está claro se o Google também terá APIs disponíveis ou se os fabricantes de aplicativos que desejam produzir aplicativos Android para o Duo precisarão procurar suporte da Microsoft.

A Microsoft também relutou em compartilhar detalhes sobre as especificações de ambos os produtos. Portanto, não há clareza sobre 5G ou sobre as opções de armazenamento ou RAM. O Duo que vi tinha um processador Qualcomm Snapdragon 855, que é o CPU Snapdragon mais rápido deste ano para dispositivos móveis. O chip provavelmente mudará quando o dispositivo for lançado no próximo ano.

O Neo terá um processador Lakefield de 11ª geração da Intel, mas não se sabe quantos núcleos a CPU terá ou a que série de processadores Intel ela pertencerá. Alguém poderia supor que ele usaria um processador da série Y de baixa potência como os usados ​​em dispositivos superfinos e leves, mas, dado o silício personalizado que vimos no Laptop 3 e no Surface Pro X, também poderia ser algo personalizado.

Ainda restam algumas dúvidas sobre esses dispositivos. Embora pareçam estar prontos para serem enviados amanhã, e embora as demos no palco possam reforçar essa ideia, eles ainda estão a um ano de distância. O hardware e o software definitivamente mudarão. No entanto, não importa como eles mudem, uma coisa permanecerá extremamente consistente: eles não serão apenas tablets dobráveis.

Pelo brilho dos dispositivos flexíveis que vimos este ano, a Microsoft obviamente pensa que dois são melhores que um que se transforma. Isso será incrível para quem abre regularmente dois aplicativos em um dispositivo ou deseja que seu telefone tenha apenas um pouco mais de espaço na tela. Não tenho muita certeza se gosto pessoalmente da abordagem. Normalmente, eu gostaria de poder dobrar o Surface Go. Eu raramente sinto que preciso de dois Surface Gos juntos. Talvez o Neo e o Duo mudem minha opinião.