Não é de hoje que acompanhamos rumores sobre o desenvolvimento de um carro autônomo feito pela Apple. E nesta semana eles ganharam um novo capítulo: de acordo com fontes ouvidas pela Reuters, a fabricante do iPhone teria traçado o ano de 2024 como uma data potencial para entrar no mercado de veículos. A agência também afirma que o automóvel seria alimentado por uma bateria desenvolvida pela própria Apple.

Conhecido como Projeto Titan, os planos automotivos da Apple teriam sido jogados para escanteio em 2014, quando a empresa destinou recursos da iniciativa para projetos de software mais lucrativos. Isso, contudo, não significa que a empresa abandonou a ideia. Ao contrário: ela teria aumentado as operações a ponto de os planos agora estarem bem encaminhados para produzir um veículo de consumo de massa.

Se tudo isso se confirmar, obviamente a Apple terá um longo caminho a trilhar, pois são muitos os desafios da cadeia de suprimentos essenciais para a produção de um veículo da categoria. Ainda assim, “se há uma empresa no planeta que tem recursos para fazer isso, provavelmente é a Apple”, disse um colaborador anônimo do Projeto Titan à Reuters. “Mas, ao mesmo tempo, não é um celular”, acrescentou a fonte.

O grande destaque do veículo seria a bateria de longa duração, que supostamente viria com um design de “monocélula”, exclusivo e patenteado pela própria Apple. Esse sistema seria capaz de limpar cartuchos e módulos para criar mais espaço para o material ativo dentro da própria bateria e dar ao carro uma autonomia superior comparada aos métodos atuais.

Fontes ainda disseram à Reuters que a Apple também tem estudado uma tecnologia baseada em fosfato de ferro-lítio como alternativa potencialmente mais segura para baterias de íon-lítio. Elas também teriam menos probabilidade de superaquecer.

Na fabricação de futuros veículos autônomos em potencial, fontes dizem que a Apple provavelmente recorreria a parceiros terceirizados para ajudar na montagem do automóvel em si. Inicialmente, a empresa teria entrado em negociações com a Magna International Inc., mas fontes próximas ao projeto disseram que esses planos não foram levados adiante.