Quando as proteções de privacidade da lei GDPR, da União Europeia, entraram em vigor em maio, a pressão para dar aos norte-americanos as mesmas ferramentas para visualizar seus dados era alta. Na quarta-feira (18), a Apple cumpriu sua promessa de oferecer um serviço de download de dados para seus usuários nos EUA, e agora você pode descobrir o que a Apple tem de informações sobre você com apenas alguns cliques. No Brasil, infelizmente ainda não está funcionando.

• O quanto eu valho para os anunciantes? Minha busca obsessiva para colocar um preço na minha atenção
• Investigadores são aconselhados a não olhar para iPhones com Face ID para não bloquearem o aparelho

Algumas empresas, como o Facebook, já oferecem a possibilidade de solicitar os dados que elas armazenam sobre você, e muitas pessoas ficaram chocadas ao examinar o grande volume de informações que estão sendo coletadas e armazenadas. A Apple tem sido extremamente consciente com as preocupações de privacidade nos últimos anos, e as chances são de que a coisa mais chocante do seu perfil que você irá encontrar é como ele não contém muita coisa em si. Ainda assim, os humanos são criaturas curiosas, e, para dar uma olhada no que a Apple tem sobre você, siga os passos a seguir:

Vá para o portal de privacidade da Apple e faça login. Você precisará inserir um código de autenticação se tiver ativado a autenticação em dois fatores. Se você não tiver a autenticação de dois fatores, recomendamos que a faça.

Quando estiver no site, você verá algumas opções e deverá clicar em “Obter uma cópia dos seus dados”. Você pode escolher os serviços dos quais deseja solicitar os dados, mas é melhor selecionar tudo.

É possível que você tenha que fazer uma verificação extra e responder a algumas perguntas, mas, na maioria das vezes, você terá que simplesmente esperar. Pode levar até sete dias para que as informações sejam compiladas e enviadas em um arquivo zip para o seu endereço de e-mail.

No Brasil, infelizmente, não havia a opção de baixar os dados. Só é possível alterar dados ou apagar a conta Apple. No entanto, segundo a Apple, o recurso estará disponível localmente em breve.

No portal de privacidade da Apple para usuários brasileiros, essas são as opções que aparecem. Crédito: Captura de tela

Junto com a UE e os Estados Unidos, a ferramenta deve agora estar disponível em Austrália, Canadá, Islândia, Liechtenstein, Nova Zelândia, Noruega e Suíça. Caso contrário, você pode enviar uma solicitação de formulário para seus dados aqui. A Apple usa criptografia para anonimizar seus dados para sua própria análise de produto. O que você está solicitando são os dados que podem ser especificamente associados à sua conta e e ao seu dispositivo.

Embora você possa escolher um tamanho de arquivo máximo para os dados a serem baixados, provavelmente não precisará se preocupar com o fato de ele ser muito grande. Ainda não vi os meus dados pessoais, mas o Zach Whittaker, do ZDNet, pediu o seu relatório em maio passado, e a Apple o forneceu. Ele consistia em algumas planilhas que somavam 5 MB. Isso é super minúsculo, se comparado à maioria das empresas famintas por dados. Por exemplo, um repórter do New York Times descobriu que o Google armazenava 8 GB de informações sobre ele. Pessoalmente, acho isso tudo horrível e, olhando para a minha atividade online, é como a sensação de ouvir uma gravação da minha voz. Eu normalmente evito esses downloads de dados que as empresas têm de mim, mas, dessa vez, pedi o relatório da Apple, esperando ter um pouco de alívio.

O novo portal acompanha algumas mudanças de rotina na Política de Privacidade da Apple, que alinha tudo com as melhorias para o iOS 12 e o macOS Mojave. É uma boa política e vale a pena investigar se você quiser ver como isso deveria ser feito. A Apple, em grande parte, não é uma empresa orientada por dados e, por isso, não precisa lutar contra a transparência da maneira como muitos fazem. Fazer a coisa certa basicamente funciona como uma propaganda para seus produtos. Apenas lembre-se sempre que a Apple não é sua amiga.

[Apple, Portal via TechCrunch]