Os últimos vestígios do relacionamento de longa data entre Nvidia e Apple estão se esvaindo. Na semana passada, a Nvidia publicou as notas de lançamento para a atualização de sua plataforma e destacou que o “CUDA 10.2 (Toolkit e driver NVIDIA) será a a última versão com suporte ao macOS para desenvolvimento e execução de aplicações CUDA”.

Isso significa que todas as futuras versões do CUDA não terão suporte para dispositivos Apple, o que deve deixar uma boa parte da comunidade profissional, assim como a comunidade de hackintosh, sem suporte para GPUs populares.



Mas, afinal, o que é a CUDA e por que isso significa o fim dos tempos do relacionamento entre as duas empresas?

O CUDA é uma plataforma de computação paralela específica da Nvidia que permite que os programas aproveitem melhor o hardware da companhia. Isso tende a resultar em melhor desempenho em programas como o Premiere e o AfterEffects da Adobe e pode até resultar em melhor desempenho em alguns jogos, como o Just Cause 2.

As GPUs da rival da Nvidia, a AMD, não têm suporte ao CUDA, já que ele é proprietário.

Essa limitação, inclusive, fez com que muita gente reclamasse sobre a adoção de placas de vídeo AMD nos últimos lançamentos da Apple. O último Mac Pro, por exemplo, veio sem as GPUs superpoderosas da Nvidia com suporte à tecnologia ray tracing acelerada via hardware.

Mas veja, a relação Nvidia/Apple está na corda bamba há quase uma década. Há pouco mais de dez anos, a Apple e a Nvidia perderam muito dinheiro devido a uma série de falhas nas GPUs em MacBooks Pro.

A situação foi tão ruim que a Apple começou a confiar na AMD, apesar da popularidade da Nvidia e de seu desempenho geralmente superior. É por isso que a linha MacBook Pro da Apple continuou usando GPUs AMD menos poderosas quando a série robusta e popular de placas de vídeo da Nvidia estava disponíveis.

Apesar da escolha pelo hardware da AMD, a Apple continuou a oferecer suporte às GPUs Nvidia. Se você quisesse colocar uma placa Nvidia em seu Mac Pro mais antigo ou em um hackintosh, era tranquilo.

Isso até o ano passado, quando a Apple silenciosamente parou de oferecer suporte ao CUDA com o lançamento do macOS 10.14 Mojave. Aplicativos que dependiam do CUDA para aceleração de hardware, como o conjunto de software da Adobe, enviaram notificações e lembretes aos clientes.

O fato de a Nvidia encerrar o suporte para o CUDA 10.2 é somente uma medida “olho por olho” da companhia. Além de deixar algumas pessoas na mão, como a comunidade de hackintosh, o fim do suporte significa que dispositivos da Apple ficarão menos atraentes para desenvolvedores de aplicações de alto nível e profissionais de animação.

Atualmente, a Nvidia é a única fabricante de placas de vídeo capaz de oferecer suporte à tecnologia ray tracing acelerada por hardware, uma ferramenta muito bem-vinda para esses profissionais.

Presumivelmente, essas pessoas já estavam migrando para o Windows – dada a falta de suporte oficial da Apple ao CUDA. Pelo menos até que a AMD consiga oferecer ray tracing acelerado por hardware. Rumores sugerem que veremos isso no próximo ano.