A Apple está expandindo o suporte de seu programa de assistências técnicas independentes para incluir seus computadores Mac. Isso significa mais opções para os consumidores, mas é importante lembrar que o suporte técnico independente da Apple ainda está muito dependente das condições da companhia.

A Reuters divulgou a chegada da novidade, que expande o programa existente da Apple de assistências técnicas independentes autorizadas, lançado no ano passado e que anteriormente só oferecia reparos para iPhones.

Por meio desse programa, a Apple se comprometeu a fornecer ferramentas OEM (originais), peças, diagnósticos e treinamento para assistências terceirizadas aprovadas pela Apple que realizam reparos para iPhone.

O suporte de reparos expandido significará mais opções para as pessoas que precisam consertar seus computadores, mas podem não ter acesso a uma loja da Apple ou a um dos Provedores de Serviços Autorizados da empresa.

Isso é ótimo, é claro – mas é apenas uma parte do quadro. Primeiro que os computadores e iPhones não são os únicos aparelhos de consumo que a Apple fabrica, e isso significa que ainda há um limite para o que a companhia permitirá que você pague a outra pessoa para consertar.

Além disso, os termos destas operações de reparo independentes mostram que a Apple ainda tem um enorme poder sobre as pequenas assistências.

Uma cópia do contrato obtido pela Vice e publicado em fevereiro indicou que essas oficinas independentes devem concordar com termos como inspeções sem aviso prévio, entrega de informações sobre seus clientes e possíveis multas por possuírem peças de reparo “proibidas”.

Mais reveladores do que os acordos asfixiantes da Apple, vinculados à embargos com pequenas lojas de reparo, no entanto, são os documentos internos que surgiram recentemente e indicam que até mesmo a empresa sabe que suas iniciativas de reparo voltadas para o público são um amontoado de disparates.

Os próprios funcionários da Apple reconheceram em trocas de mensagens que os esforços de reparos da empresa voltados para o público não são totalmente compatíveis com seus esforços de lobby para interromper o movimento de direito a reparos nos EUA.

O fato de esta ser uma questão sendo ativamente discutida entre os funcionários da Apple deixa a companhia com uma imagem ruim, particularmente porque ela continua a argumentar que sua posição nesse setor depende principalmente de preocupações com “segurança”.

Resumindo, o fato de a Apple estender o suporte a mais produtos e dar aos consumidores mais opções é ótimo. Mas, pelo menos por enquanto, vamos conter os aplausos. A Apple ainda tem um longo caminho a percorrer.