A Apple anunciou que vai suspender seu programa que permite que funcionários ouçam gravações da Siri para controle de qualidade, segundo o TechCrunch. A medida é uma resposta à recente polêmica sobre terceirizados da empresa estarem ouvindo trecho íntimos da vida privada dos usuários sem o seu consentimento.

Segundo a Apple, a empresa pretende revisar esse processo, chamado de “grading” (ou “avaliação”, em tradução livre) para avaliar se a Siri tem captado as solicitações de forma correta ou se está sendo ativada de forma equívoca.

Além disso, uma atualização de software futura permitirá que os usuários da Siri decidam se querem participar ou não desse programa, compartilhando suas informações para propósitos de melhoria do sistema. Esse procedimento já é implementado pela Apple nos aplicativos, em que, ao configurar o iPhone, o usuário deve informar se autoriza a transmissão de dados de performance dos apps para que desenvolvedores identifiquem e consertem falhas em seus softwares.

Em um comunicado ao TechCrunch, a Apple afirmou que está comprometida em “entregar uma ótima experiência com a Siri ao mesmo tempo em que protegemos a privacidade do usuário” e que, no momento, enquanto conduzem uma reavaliação minuciosa do processo, o grading da Siri será suspenso globalmente.

Esse processo de gravar alguns segundos de áudio e enviar para a equipe interna ou terceirizada para fins de avaliação e melhoria é comum nessa indústria. Gravações feitas por assistentes da Amazon e do Google também são ouvidas por humanos, conforme aponta o TechCrunch.

Portanto, a Apple será pioneira e poderá servir como modelo para o setor ao implementar essas mudanças que solicitam, de forma explícita, a autorização do usuário para que suas gravações sejam utilizadas.

Com as preocupações sobre cibersegurança permeando cada vez mais as discussões em diferentes setores, a Apple vem implementando medidas que reforçam seu posicionamento em relação à privacidade de seus usuários e esperamos que outras empresas sigam o mesmo caminho.

[TechCrunch, MacRumors]