No dia 9 de abril, será inaugurada no Aquário Monterey Bay, na Califórnia, a exposição “Into the Deep: Exploring Our Undiscovered Ocean”. A mostra promete apresentar ao público seres de outro mundo, como águas vivas que brilham no escuro e caranguejos gigantes que lembram aranhas.

Para construí-la, foi necessário desembolsar uma quantia de US$ 15 milhões (cerca de R$ 71 milhões). O preço é justificado pelo esforço: na exposição, os pesquisadores trazem animais que vivem até 3 mil metros abaixo da superfície. Foi necessário investir em tecnologia para conseguir coletá-los do fundo do mar e mantê-los vivos em cativeiro.

A Lampocteis cruentiventer, por exemplo, é um ser translúcido, avermelhado e com bioluminescência. Em entrevista ao The Mercury News, George Matsumoto, biólogo marinho do Monterey Bay Aquarium Research Institute (MBARI), descreveu o animal como uma joia flutuante extremamente frágil e sensível a altas temperaturas.

“Eles têm isso em exibição aqui, e é lindo. É algo que as pessoas nunca viram. O número de pessoas no mundo que viram um desse vivo em um contêiner de navio é provavelmente inferior a duas dúzias, até que esta exposição seja aberta”, disse.

Para manter os animais, o aquário na Califórnia coleta água da própria Baía de Monterey e faz um processo de filtragem e resfriamento. A temperatura fica em torno de 3,8ºC. Também são utilizadas bombas de nitrogênio para reduzir o nível de oxigênio para 3% da água da superfície, imitando as condições do oceano profundo.

A exposição conta com mais de 50 espécies. Entre os destaques estão os corais rosa que vivem em montanhas submarinas e também os anjos do mar – animais minúsculos cintilantes que lembram caracóis com asas. A exposição é planejada para durar oito anos e novos animais podem ser adicionados ao longo do tempo.

A maior parte dos seres foi coletada por pesquisadores do MBARI. Os cientistas da instituição são famosos por encontrar seres únicos nos mares californianos, como a água-viva fantasma gigante (Stygiomedusa gigantea) e  o peixe olho-de-barril (Macropinna micróstoma).