Armas genéticas podem ser usadas para eliminar líderes mundiais?

Na edição desse mês da Atlantic, há uma teoria interessante numa matéria sobre guerra biológica. A partir dos avanços na decodificação do genoma e das últimas revelações de que qualquer material que contenha o DNA de um presidente é frequentemente destruído e que Hilary Clinton pediu amostras de DNA de líderes estrangeiros, a revista propõe […]

Na edição desse mês da Atlantic, há uma teoria interessante numa matéria sobre guerra biológica. A partir dos avanços na decodificação do genoma e das últimas revelações de que qualquer material que contenha o DNA de um presidente é frequentemente destruído e que Hilary Clinton pediu amostras de DNA de líderes estrangeiros, a revista propõe a ideia de que o próximo passo da guerra biológica será o desenvolvimento de bioagentes personalizados, feitos para atacar certas fitas de DNA: as dos líderes mundiais.

O texto é bem especulativo, mas faz um bom apanhado de desenvolvimentos recentes que, juntos, dão vários motivos lógicos para que, no futuro, isso realmente ocorra:

A matéria é bem mais longa que isso. Nós apenas passamos pela superfície da guerra biológica. O futuro é muito mais pavoroso que isso. Leia o resto da matéria no link ao lado. [The Atlantic]

Imagem: sgame / Shutterstock

Sair da versão mobile