O profeta Isaías é um dos personagens mais importantes da Bíblia. Ele tem um livro próprio no Antigo Testamento e centenas de citações no Novo Testamento; foi ele quem profetizou a chegada do Messias. De acordo com os textos bíblicos, Isaías viveu no reino de Judá entre os séculos VIII e VII a.C., durante os reinados de Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias e arqueólogos encontraram uma peça que comprova sua existência.

• Arqueólogos descobrem mensagem secreta em cerâmica dos tempos bíblicos
• DNA de fóssil revela que os primeiros britânicos eram negros e tinham olhos azuis

Pesquisadores da Universidade de Jerusalém encontraram 34 pequenas peças de argila com impressões de selos, com os nomes de seus donos, em um sítio arqueológico em Ophel, área entre o Monte do Templo e a Cidade de Davi, usada na antiguidade como complexo residencial da família real. Um artigo foi publicado na Biblical Archaeology Review.

Um desses artefatos tem cerca de um centímetro e possui o nome Yesha’yah[u] (Isaías), em letras hebraicas seguido pelas letras “N”, “V” e “Y”, as três primeiras para a palavra “profeta” em hebraico (Navi, soletrada como nun-beit-yod-aleph). Ou seja, está faltando a letra “A”, porque a peça está quebrada – portanto, não há 100% de segurança para associar a palavra Isaías ao profeta.

Vista aérea do templo de Jerusalém. Selo foi encontrado em área no canto inferior direito da imagem. Foto: Andrew Shiva/Wikipedia

No entanto, apesar de ser um detalhe importante, é possível levar em consideração que o selo pertence ao século VIII a.C., época em que se acredita que Isaías viveu. Ainda assim, existe a possibilidade dele pertencer a outro Isaías que viveu na mesma época, já que era um nome comum. A assinatura nos selos costumavam fazer referência ao pai do signatário. Porém, o pai de Isaías se chamada Amoz.

Se o artefato realmente se referir a Isaías, o Profeta, seria a primeira evidência de sua existência além dos textos religiosos.

Outro ponto importante é que os selos não eram decorativos, mas documentos oficiais da época. Os artefatos de argila continham em seu interior diferentes representações icônicas usadas como registradores. A proximidade com a assinatura de Ezequias e o fato de que apenas pessoas com status social elevado utilizam os selos, abre a possibilidade plausível de que o objeto encontrado realmente pertencia ao Isaías bíblico.

“A descoberta das estruturas reais e as descobertas desde o tempo do rei Ezequias em Ophel é uma rara oportunidade para revelar detalhes desse tempo específico na história de Jerusalém”, escreveu Eilat Mazar, principal autor da pesquisa, em seu artigo. “As descobertas levaram a um ‘encontro’ quase pessoal com alguns dos principais personagens que participaram da vida real de Ophel, incluindo o rei Ezequias e, talvez, também o profeta Isaías”.

[Biblical Archaeology Review]

Imagem do topo: Isaías seguido pelas letras N-V-Y – Eilat Mazar/Biblical Archaeological Review