Você pode não conhecer o nome Gin D. Wong, mas você definitivamente conhece o seu trabalho. Ele é responsável por alguns dos edifícios mais emblemáticos de Los Angeles, incluindo o Theme Building, no Aeroporto de Los Angeles (foto acima). E ele até mesmo inspirou os designers do lendário desenho animado de 1962 Os Jetsons. Wong morreu no dia 1º de setembro, aos 94 anos.

• As incríveis tecnologias dos Jetsons que ainda não temos

Wong planejou não apenas o Theme Building de 1960 (talvez mais conhecido como algo como “A nave espacial” para os viajantes que passam pelo LAX), mas ele também foi fundamental para erguer outros ícones do design moderno da metade do século passado.

Por exemplo, Wong projetou o posto de gasolina Union 76, em Beverly Hills, com seu enorme telhado exagerado, que foi concluído em 1965. E ele trabalhou no CBS Television City Building, outra obra-prima modernista, concluída em 1952.

O posto de gasolina Union 76 em Beverly Hills, Califórnia, projetado por Gin Wong, que faleceu neste mês aos 94 anos de idade (Foto de Thomas Hawk/licença Creative Commons)

Wong também ainda no extinto Marineland of the Pacific, em Palos Verdes, que era um parque temático que abrira um ano antes da Disneylândia, em 1954, e no edifício Transamerica, em São Francisco, uma das características mais reconhecíveis do horizonte da cidade.

“Não é carregado”, disse Wong sobre o edifício Transamerica, deixando clara sua filosofia de design. “É apenas um projeto simples e claro.”

Wong falou sobre algumas de suas obras mais importantes em uma entrevista de 2013 que pode ser vista no YouTube.

E por mais que ele não tenha tido ação direta na criação do programa da CBS Os Jetsons, qualquer pessoa familiarizada com os edifícios que ele ajudou a projetar enxerga imediatamente sua influência. A mistura do estilo modernista da metade do século e o estilo Googie da Califórnia do Sul são os fundamentos do universo dos Jetsons. E o mundo futurista de George Jetson e seu estilo icônico não teriam sido os mesmos sem Wong.

Captura de tela da temporada 1962-63 de Os Jetsons

Nós exploramos esse estilo de design em profundidade em 2012, durante o 50º aniversário de Os Jetsons, assim como em nosso estudo do estilo Googie do século XXI, de forma mais ampla. E, apesar de ser retro-futurista, ainda há algum otimismo alienígena nisso tudo.

Foto que apareceu no Oxnard Press-Courier de 10 de novembro de 1965, mostrando Wong com seu projeto para o novo edifício da Ventura Savings and Loan Association, juntamente com os estudantes de arquitetura (da esquerda) Pegi Weidenfeller, Bob Carter, Sue Schrichter e Marshall Clymer (Newspaperarchive.com)

Porém, embora Wong tenha influenciado o design da Califórnia do Sul tão fortemente, o Los Angeles Times explica que ele nunca se tornou um nome conhecido na cena da arquitetura.

Após se formar, ele foi trabalhar para a Pereira & Luckman e mais tarde ficou com seu mentor para ajudar a tocar a Pereira & Associates, onde se tornou diretor de projetos e, em seguida, o presidente da empresa. Ele era uma estrela dessas empresas. Ele liderou a equipe do grande projeto que modernizou o LAX na década de 1950, preparando o aeroporto para a era das viagens a jato. Mas foi Pereira, o parceiro no nome da empresa, que apareceu na capa da Time, sua expressão confiante sob uma faixa com os dizeres “Vistas para o futuro”.

Quando essa edição chegou às bancas em setembro de 1963, poucas pessoas teriam reconhecido o nome de Wong. Ele era um arquiteto sino-americano em uma empresa liderada por um mestre do marketing de arquitetura e desenvolvimento de negócios. Apesar de toda a ousadia da obra de Wong, ele foi destinado a permanecer como um dos associados.

Nascido em 17 de setembro de 1922, em Guangzhou, China, Wong se mudou para Los Angeles quando tinha nove anos de idade. E, embora tenha havido sempre lutas sobre o significado de “autoria” no mundo da arquitetura, a história de Wong é de bastante importância para os estudiosos que consideram o papel da raça ao definir quem recebe crédito por um trabalho em particular.

Mesmo as pessoas que se consideram profundamente investidas em arquitetura podem nunca ter ouvido o nome de Wong, como o Los Angeles Times ressalta. E isso é uma vergonha. Não só para a comunidade de arquitetura, mas para aqueles de nós que apreciam sua influência sobre outros aspectos da cultura.

Sim, Os Jetsons pode não ser o legado mais “elevado” de Wong para levarmos em conta. Mas para aqueles de nós que dão crédito ao desenho por nos ter apresentado visões tecnologicamente otimistas do futuro, o programa não teria sido o mesmo sem ele. Os animadores que nos deram essa criação viviam e respiravam o mundo Wong, conforme dirigiam ao redor de Burbank e Los Angeles nos anos 1950 e 1960. O sonho desse mundo Jetsoniano era tanto seu quanto de Hanna-Barbera.

Descanse em paz, Sr. Wong. Agradecemos sua visão clara e otimista do futuro que surpreendentemente ainda perdura até hoje.

[New York Times e Los Angeles Times]

Imagem do topo: Matt Novak