Você conhece o SoundHound, app que ouve e descobre qual a música que está tocando no rádio ou na TV, ou até mesmo a que você está cantarolando. A empresa apresentou esta semana o Hound, um assistente de voz parecido com Google Now, Siri e Cortana capaz de lidar com linguagem natural até mesmo em questões complexas.

O app tira de letra questões feitas de forma indireta — muito indireta. Na demonstração, o Hound teve que responder a seguinte pergunta: “Qual a população da capital do país no qual está localizado o Space Needle?”

Veja, não é simples: o app precisava descobrir em que país fica o Space Needle, a capital desse país e só então dar a população da cidade. E ele acertou, informando sem demora a população de Washington, D.C. — enquanto isso, Google Now e Siri entregaram resultados de busca para Washington, Seattle, a cidade onde está o Space Needle. Fuén.

Keyvan Mohajer, o fundador e CEO da SoundHound, diz que o segredo do app está em combinar duas tecnologias num único motor: enquanto os rivais separam o reconhecimento de voz e o processamento da linguagem natural em dois passos, o Hound faz tudo de uma única vez. Segundo Mohajer, dividir as tarefas faz com que os concorrentes levem mais tempo e errem mais que o Hound.

O app usa conexões com 50 serviços para trazer as informações procuradas. Em comparação, a Siri foi lançada com 10 conexões e, atualmente, tem 22. O app usa o Expedia, por exemplo, para fazer busca por hotéis — e mesmo aqui o comando de voz pode ser feito de forma bem complexa: você pode mandar (em inglês) “mostre hotéis em Seattle de quatro ou cinco estrelas, com três noites disponíveis a partir de sexta-feira, e diária entre 200 e 250 dólares” que ele encontra exatamente isso.

O Hound ainda checa informações de voos, envia mensagens de texto, calcula pagamento de hipotecas, mostra rotas entre dois pontos no mapa, procura a música que está tocando usando o SoundHound (claro), entre outras funções. Se ele não entender –as demonstrações dão a entender que isso é difícil, mas precisamos ver o uso na vida real– retorna resultado de busca usando o Bing.

Claro, há limitações. O app está sendo lançado hoje apenas para Android num programa beta fechado. Ele só entende inglês, o que é bem menos que Google Now, Siri e Cortana — os dois primeiros falam português, inclusive.

E, talvez sua maior desvantagem, não está integrado aos sistemas operacionais — um programa chamado Houndify permitirá a desenvolvedores colocar o Hound em suas criações, mas, por enquanto, você tem que abrir o app para fazer as buscas. Em tempos de “Ok, Google” e com o Now on Tap a caminho, isso parece ser uma desvantagem considerável. Falando ao Verge, Mohajer parece não se importar:

“Ser mais fácil não é o suficiente para que eu escolha um serviço. Eu não uso a Siri para procurar lugares para comer, eu uso o Yelp, mesmo com a Siri usando os dados do Yelp, porque a experiência é melhor. Eu uso Google Maps no iOS em vez do Apple Maps, mesmo com o Apple Maps sendo mais integrado”, diz ele. “Eu acho que se entregarmos algo substantivamente melhor, as pessoas irão usar.”

Será que a velocidade e a compreensão do Hound serão suficiente para bater a facilidade e a integração dos outros assistentes pessoais? É esperar para ver se Mohajer tem razão. [The Verge, The Wall Street Journal, PC World]