O asteroide 2004 BL86 passa próximo da Terra na noite desta segunda-feira (26). Com 300 metros de diâmetro, ele estará visível a partir das 23 horas (horário de Brasília), desde que se faça uso de um binóculo ou telescópio pequeno. Ele não apresenta riscos ao planeta, segundo a Nasa.

Descoberto em janeiro de 2004 pelo Lincoln Near-Earth Asteroid Research (Linear) no Novo México, os astrônomos responsáveis pela descoberta acreditaram que, na época, o 2004 BL86 possuísse 500 metros de diâmetro. No entanto, imagens mais recentes revelam que ele é menor, com aproximadamente 300 metros. Ele passa a cerca de 1,2 milhão de quilômetros de distância da Terra e fica visível até às 4h da madrugada de terça (27). Para se ter uma ideia da distância, a Lua fica a cerca de 385 mil quilômetros de distância.

Para ver o asteroide, é preciso olhar para a Consolação de Câncer. Veja mais informações sobre a rota do 2004 BL86 aqui.

2004bl86_starchart1

Apesar de percorrer seu caminho a milhares de quilômetros de distância de nós, o tamanho relativamente grande do 2004 BL86 o iluminará rapidamente conforme ele vai se aproximando. A distância “pequena” permitirá aos astrônomos rebater as ondas sonoras do objeto, determinando seu tamanho e formato integral. Segundo Dr. Don Yeomans, gerente aposentado do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, localizado em Pasadena, na Califórnia, o 2004 BL86 será o asteroide a passar mais perto da Terra nos próximos 200 anos. “E apesar de não apresentar nenhum risco iminente à Terra, é um asteroide relativamente grande que passará relativamente perto, o que nos dá a oportunidade única de observar e aprender mais. Eu mesmo vou pegar meus binóculos favoritos para observá-lo”, diz. O próximo asteroide a passar tão próximo de nós só chega em 2027 e ficará a cerca de 1,5 milhão de quilômetros distância.

Os cientistas da Nasa dizem que o 2004 BL86 é inofensivo e que não há risco iminente de choque contra a Terra, mas vale lembrar que em 15 de fevereiro de 2013, um meteoro de apenas 45 metros de diâmetro atingiu a cidade de Chelyabinsk, na Rússia, causando caos e ferindo mais de 400 pessoas.

[DailyMail]

Imagem de nasa_apeal sob licença Creative Commons