Os cientistas detectaram um sinal em torno de um exoplaneta que pode ser um sinal de um disco circunvizinho – um disco de detritos que poderia um dia se transformar em exoluas.

Os astrônomos teorizam que nos primórdios de Júpiter e Saturno, os planetas maciços prenderiam os detritos nesses discos circunvizinhos em órbita. A massa dos discos poderia então fazer uma das duas coisas: cair no planeta ou se transformar em luas. Novos resultados do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) no Chile mostram o que pode ser a evidência de um desses discos em torno de um exoplaneta jovem que fica a 370 anos-luz da Terra.

O exoplaneta em questão é chamado PDS 70c, o segundo exoplaneta conhecido mais próximo da estrela-mãe PDS 70. Ele orbita longe de sua estrela-mãe jovem (de aproximadamente 5 milhões de anos), além da distância entre o Sol e Netuno, e ligeiramente mais próximo que um vasto anel de poeira. Os cientistas descobriram pela primeira vez evidências do PDS 70c no início deste ano usando o Very Large Telescope (VLT). Os pesquisadores interpretaram seus resultados não apenas como a marca de um exoplaneta, mas um que estava devorando parte do gás e da poeira em sua vizinhança.

Uma equipe de pesquisadores dos Estados Unidos, do Chile, da França e da Alemanha acompanhou as observações do VLT, reavaliando e recalibrando os dados anteriores do ALMA sobre o sistema estelar. Eles estavam à procura de luz submilimétrica, um comprimento de onda entre o infravermelho e a parte de microondas do espectro, e especialmente propício para observar nuvens de poeira. Eles avistaram uma fonte submilimétrica difusa no mesmo local que o PDS 70c.

Os cientistas afirmam que localizaram uma nuvem de poeira ao redor do grande planeta jovem e inferiram que a nuvem era um disco circumplanetário. Eles estimaram a massa do disco entre 0,002 e 0,0042 vezes a massa da Terra, ou algo em torno de um quarto da massa da nossa própria Lua.

Acredita-se que essas nuvens de poeira exercem papéis importantes na formação planetária, de acordo com o artigo publicado no Astrophysical Journal Letters. Os astrônomos pensam que as luas de Júpiter e Saturno se formaram a partir de um anel como este, e que as propriedades do anel podem determinar as propriedades das luas resultantes. Atualmente, os astrônomos realmente se importam com luas como as que se formaram ao redor de Júpiter e Saturno, porque algumas delas podem abrigar as condições para vida extraterrestre.

Eles também encontraram uma fonte misteriosa de emissão submilimétrica um pouco próxima do PDS 70b, mas não puderam explicar bem o que era essa emissão.

Estas ainda são inferências baseadas em manchas difusas, e ainda há muito que os astrônomos não entendem sobre como os planetas se formam. Mas se esses resultados resistirem a um exame mais minucioso, então o PDS 70c poderia ser um planeta apenas terminando sua fase de formação e poderia ser uma boa fonte para entender como os planetas – e talvez suas luas – se formam.