O The Intercept descobriu uma ambiciosa operação da NSA chamada AURORAGOLD que tem por objetivo grampear todas as redes de celular do planeta.

A descoberta, encontrada em um arquivo fornecido por Edward Snowden, revela que a NSA interceptou milhares de e-mails enviados entre empresas em uma tentativa de identificar falhas de segurança na tecnologia de telefonia móvel.

Outros documentos revelam que a NSA tem trabalhado com aquelas informações para dissimuladamente inserir novas falhas nos sistemas de comunicação, precisamente para que eles possam ser monitorados no futuro. O receio mais óbvio é que a introdução proposital de backdoors permite não só que a NSA bisbilhote quem que que ela queira, mas deixa esses alvos vulneráveis a hackers criminosos também. Karsten Nohl, pesquisador de segurança, reforça esse ponto no The Intercept:

“Mesmo que você ame a NSA e diga que não tem nada a esconder, você deveria ser contra uma política que introduz vulnerabilidades de segurança. Porque quando a NSA insere uma vulnerabilidade, uma fraqueza, não é só ela que pode explorá-la.”

A Associação GSM (com sede no Reino Unido, mas trabalhando com empresas como Microsoft, Facebook, AT&T e Cisco) é apontada no relatório como uma das maiores vítimas da vigilância de e-mails. Mas o resultado do trabalho é mais extenso e um mapa (abaixo) revela o alcance dos tentáculos da NSA nas redes móveis de territórios internacionais. Claramente, ela chega em quase todos os países do mundo, incluindo Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia, Alemanha e França – que presumivelmente acreditam ser eles todos aliados.

Mapa da AURORAGOLD

Dito isso, o relatório é um sinal grave que aumenta a sensação de que estamos sendo monitorados de perto e que isso é a norma. É grave, e você pode lê-lo na íntegra aqui. [The Intercept]