O lago Vida, no leste da Antártida, é sete vezes mais salgado que o mar, 13ºC abaixo de zero e bastante escuro. Era um lugar que pesquisadores achavam que vida nunca poderia existir. Mas eles estavam errados.

Uma equipe de cientistas na Antártida encontrou uma colônia de bactérias estranhas que vivem em um lago completamente lacrado, e que ficaram em repouso há 2.800 anos. A descoberta aumenta as esperanças de encontrar vida em outros planetas. Peter Doran, um dos pesquisadores, explica à New Scientist.



O lago Vida é um modelo do que acontece quando você tenta congelar um lago sólido, e esse é o mesmo destino que qualquer lago em Marte teria, já que o planeta se tornou mais frio depois de um passado aquoso. Qualquer corpo d’água de Marte que teria sido formado também passou por este estágio do Vida antes de se tornar sólido, sepultando a evidência de um ecossistema passado.

A equipe teve que perfurar 27 metros de gelo para chegar ao lago, e então encontrou a desconhecida espécie nas amostras de água que coletaram. Eles acreditam que a bactéria sobreviveu com uma dieta de hidrogênio e óxidos de nitrogênio, que estão bastante disponíveis na água do lago.

O próximo lago que os pesquisadores pretendem estudar está a 3km abaixo da superfície. Independentemente de encontrarem ou não vida por lá, os cientistas estão confiantes que a descoberta reflete bem a chance de encontrar vida em outro lugar no nosso sistema solar. [PNAS via New Scientist]

Imagem via Shutterstock/Axily