Os vencedores do prêmio Ig Nobel de 2019 — um concurso anual que satiriza a ciência ridícula foram anunciados.

Esta já á 29ª edição do concurso, que zomba das pesquisas científicas mais desnecessárias. A competição é organizada pela Annals of Improbable Research, uma revista de humor baseada em ciências.

Como acontece todos os anos, uma estridente cerimônia de premiação foi realizada no Sanders Theatre de Harvard, em Cambridge, Massachusetts (EUA). Aqui estão os “vencedores” do concurso deste ano, conforme anunciado pelos Annals of Improbable Research em um comunicado à imprensa.

Os cientistas franceses Roger Mieusset e Bourras Bengoudifa ganharam o prêmio de anatomia por “medir a assimetria da temperatura do escroto” em carteiros, quando nus ou completamente vestidos. Aparentemente, o testículo esquerdo é mais quente, mas apenas quando os carteiros usam roupas. Muito obrigado, ciência, por essa informação super útil.

Silvano Gallus, da Itália, reuniu evidências de que pizza não é junk food, e que ela pode realmente trazer benefícios à saúde, com a ressalva de que a pizza deve ser feita e consumida na Itália.

Patricia Yang e David Hu, junto com outros colegas, ganharam o prêmio de física por descobrirem como os wombats produzem seu cocô estranho em forma de cubo. Não temos certeza se isso é bom ou ruim, mas este é o segundo Ig Nobel concedido a Yang e Hu; em 2015, os pesquisadores ganharam o prêmio por revelar a chamada “lei de micção”, segundo a qual todos os mamíferos precisam de cerca de 21 segundos para esvaziar a bexiga (com um desvio padrão bastante generoso de 13 segundos).

O japonês Shigeru Watanabe, do Japão, ganhou o prêmio de química por descobrir quanta saliva é produzida por uma criança típica de 5 anos por dia. Juntando-se a Watanabe para a cerimônia de premiação estavam seus filhos adultos que, lamentavelmente, participaram do estudo há 35 anos.

Fritz Strack, da Alemanha, aceitando seu prêmio Ig Nobel em psicologia por descobrir que segurar uma caneta na boca os faz sorrir – e depois refutar sua própria pesquisa. Imagem: AP

O prêmio Ig Nobel de 2019 para psicologia foi concedido ao alemão Fritz Strack por sua pesquisa de 1988, mostrando que uma caneta, quando mantida na boca de uma pessoa, força-a a sorrir, o que a torna mais feliz – e pela continuação em 2017 quando ele derrubou sua própria tese. Aparentemente, se o auto-descreditar é valioso agora, mas ei, assim é a ciência.

“Lavadora infantil e aparelho trocador de fraldas”. Imagem: Iman Farahbakhsh

Uma máquina bizarra e aterrorizante que pode trocar a fralda de um bebê  ganhou o prêmio principal do Irã Iman Farahbakhsh na categoria engenharia.

As americanas Karen Pryor e Theresa McKeon ganharam o prêmio de educação médica, mostrando que uma técnica popular, na qual clickers são usados ​​para treinar animais (chamado aprendizado operante), também pode ser usada para treinar cirurgiões ortopédicos.

Surpreendentemente, as baratas magnetizadas mortas se comportam de maneira diferente das baratas magnetizadas vivas, um insight aparentemente inútil que rendeu a Ling-Jun Kong e seus colegas o maior prêmio Ig Nobel em biologia. Aparentemente, baratas mortas são excelentes ímãs.

A equipe composta por pai e filho, Timothy e Andreas Vos, juntamente com o colega Habip Gedik, ganhou o prêmio em economia por testar qual país tem a moeda de papel melhor em coletar e transmitir bactérias perigosas. E, finalmente, o prêmio Ig Nobel da paz foi para Ghada A. bin Saif e colegas por medir a satisfação psicológica de se coçar.

Andreas Voss e seu filho Timothy Voss na cerimônia de premiação Ig Nobel. Imagem: AP

Nossos sinceros parabéns – e simpatia – por todos os vencedores. E uma nota rápida aos Anais da Pesquisa Improvável: Por favor, nunca parem. Esses prêmios são a melhor coisa do mundo.