O Prêmio de Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel não é oficialmente um Prêmio Nobel, já que é dado pelo Banco Central da Suécia, e não pela Fundação Nobel, mas a importância é praticamente a mesma. Os laureados passados são todos nomes importantíssimos da economia — e, em 2016, a lista poderá contar com o inventor do Bitcoin. Supondo, claro, que alguém descubra quem é ele.

Satoshi Nakamoto é amplamente reconhecido com o inventor do Bitcoin. Ele publicou um artigo em 2008 esboçando o conceito, e desenvolveu o software original que sustenta a moeda digital mais popular. Mas Satoshi Nakamoto é um pseudônimo, e, apesar de várias buscas online e offline, ninguém sabe qualquer coisa sobre ele.



Isto não impediu o professor de Finanças da UCLA Bhagwan Chowdhry de tornar pública sua indicação ao criador do Bitcoin para o Prêmio Nobel de Economia de 2016. Num artigo no Huffington Post, Chowdhry explica sua escolha:

A invenção do bitcoin — uma moeda digital — não é nada menos que revolucionária… ela oferece muitas vantagens sobre moedas físicas e de papel. É seguro, se baseia num código criptografado quase inquebrável, pode ser dividido em milhões de sub-unidades menores e pode ser transferido de forma segura e praticamente instantânea de uma pessoa para outra num mundo com acesso online a governos, bancos centrais e intermediários financeiros como Visa, Mastercard, Paypal ou bancos comerciais, eliminando atrasos e custos de transações.

Desconsiderando percepções individuais sobre o Bitcoin –moeda de traficantes de drogas e viciados ou a mais avançada ferramenta econômica em prol da liberdade individual?– sua invenção é tanto significativa quanto muito esperta.

Não há precedentes de prêmios Nobel para uma pessoa desconhecida (ou, possivelmente, até mesmo um grupo de pessoas), então é difícil prever como o comitê da premiação vai lidar com a indicação. Mas, mesmo assim, o fato de o Bitcoin e o Prêmio Nobel de Economia estarem juntos numa única frase já é muito importante por si só.

[Huffington Post]