Os engenheiros da Boeing descobriram um novo problema de software com o avião 737 Max, que está paralisado no mundo todo há quase um ano devido a problemas técnicos. O novo problema, relatado pela Bloomberg News, envolve o sistema de compensação, que regula se o nariz da aeronave aponta para cima ou para baixo. Uma luz para o sistema não acendia quando deveria, segundo a empresa.

“Durante os testes de voo do software atualizado do 737 MAX, uma luz indicadora associada ao sistema de compensação do estabilizador acendeu na cabine de pilotagem”, disse um porta-voz da Boeing ao Gizmodo por e-mail. “Determinamos que a ativação dessa luz era causada por diferenças nos dados de entrada entre os computadores de controle de vôo (FCC). Isso é resultado da atualização do software de redundância de comparação cruzada da FCC emitida em junho de 2019”.

“Estamos incorporando uma alteração no software 737 MAX antes da frota retornar ao serviço para garantir que essa luz indicadora acenda apenas como pretendido”, continuou o comunicado da empresa de aviação. “A Boeing notificou a Administração Federal de Aviação na semana de 20 de janeiro e compartilhou conhecimentos técnicos sobre o problema e a atualização de software planejada. Também notificamos as companhias aéreas que são nossos clientes”.

A Boeing, que espera ter o 737 Max de volta em serviço até a metade deste ano, enfrentou uma série de escândalos após dois acidentes com o avião Max, com apenas cinco meses de diferença. O voo 302 da Ethiopian Airlines caiu na Etiópia em 10 de março de 2019, matando todos os 157 passageiros e tripulantes a bordo, e o voo 610 da Lion Air caiu na Indonésia em 29 de outubro de 2018, matando todas as 189 pessoas a bordo. O novo Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS) do avião forçava o nariz do avião para baixo de maneira incorreta, porque acreditava que o avião corria o risco de cair.

A FAA (Administração Federal de Aviação dos EUA) e a Boeing suspenderam todos os 737 Max operando nos EUA em março de 2019, mas somente depois de quase todos os outros países do mundo que estavam operando a aeronave suspenderem o avião por conta própria.

A Boeing demitiu seu CEO em dezembro, após a série de escândalos aparentemente interminável com o avião Max. Outras manchetes recentes da Boeing envolveram e-mails de funcionários dizendo coisas como “este avião foi projetado por palhaços, que por sua vez são supervisionados por macacos”. E a FAA sabia dos problemas quase desde o início.

Apesar de outro problema com o avião, Steve Dickson, chefe da Administração Federal de Aviação (FAA), parecia otimista de que o avião retornaria ao serviço, de acordo com a Reuters, e já havia sugerido que poderia estar no céu antes de meados de 2020. A única questão que resta é se os passageiros vão querer voar nos aviões condenados. A United e a Southwest já anunciaram que permitirão aos passageiros optar por não voar no 737 Max.

Você voaria nesse avião? Os funcionários da Boeing se perguntaram exatamente isso antes das duas falhas em 2018 e 2019.

“Você colocaria sua família em uma aeronave treinada no simulador Max? Eu não colocaria”, escreveu um funcionário da Boeing em um e-mail em fevereiro de 2018.

Em breve, descobriremos se outras pessoas se sentem da mesma maneira.