Dê uma olhada nesta foto incrível de uma bola de fogo que apareceu sobre a Inglaterra na última semana.

A imagem, capturada por Christopher Small, foi tirada em Bude, uma cidade litorânea no nordeste da Cornualha, Inglaterra, informa a ESA (Agência Espacial Europeia). A vista deslumbrante apareceu 36 minutos antes da meia-noite de 21 de janeiro deste ano.

O meteoro era tão brilhante que iluminava a superfície do Atlântico e as armadilhas para lagostas em primeiro plano. O evento foi visto por pelo menos cinco observadores do céu, incluindo um observador em Londres, conforme relatado pela International Meteor Organization (Organização Internacional dos Meteoros).

Mapa de onde foi possível ver a bola de fogoMapa mostra a trajetória do meteoro e as cinco localizações de onde foi possível vê-lo. Crédito: International Meteor Organization

O termo “bola de fogo” pode parecer fantasioso, mas é uma designação astronômica autêntica. Bolas de fogo são classificadas pela Sociedade Americana do Meteoro como um “meteoro muito brilhante, geralmente mais brilhante que a magnitude -4”, que é o mesmo brilho que Vênus no céu da manhã ou da noite.

Alguns meteoros (não este em específico) têm a notoriedade adicional de serem classificados como bólidos. Esse é um tipo especial de meteoro que explode durante a entrada na atmosfera da Terra, após o qual seus fragmentos caem na superfície. O meteoro de Cheylabinsk é um bólido notável na memória recente — ele causou uma explosão famosa na Rússia em 15 de fevereiro de 2013.

Os meteoros não são nada de especial, e a maioria de nós já conseguiu ver em algum momento uma “estrela cadente” com nossos próprios olhos. De acordo com a ESA, nosso planeta acumula material celeste na ordem de 54 toneladas por ano, chegando como poeira interplanetária, meteoroides (objetos menores que 1 metro) e asteroides (objetos maiores que 1 metro). Centenas de bolas de fogo atingem a Terra a cada ano, segundo a agência. Esta bola de fogo em particular parece ter sido um grande meteoroide, possivelmente com um metro de largura.

O fotógrafo Small, que tirou a foto, disse à ESA que passa muito tempo fotografando o céu noturno, mas nunca viu algo assim. A bola de fogo “foi incrível e iluminou toda a costa de forma tão brilhante quanto o dia por alguns segundos”, disse ele. “Havia lindas cores azul e verde”.

Esse vívido tom azul esverdeado da bola de foto e sua raia podem se atribuídos aos átomos de oxigênio no céu, que foram “ativados” pelo calor que emanou do meteoro durante a entrada na atmosfera. Isso fez com que os átomos de oxigênio brilhassem em tons de verde e azul, em um processo semelhante ao modo como as partículas carregadas do Sol causam auroras — incluindo a recém-descoberta forma de aurora verde apelidada de “dunas”.

Você pode conferir mais fotos de Christopher Small em seu site Ocean and Earth Photography.