O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, recebeu alta do hospital neste domingo (12) após receber tratamento para COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Segundo o New York Times, Johnson não retomará imediatamente seus deveres como primeiro-ministro e levará algum tempo para se recuperar. No entanto, ele poderá assinar as principais decisões relacionadas ao surto de coronavírus da Grã-Bretanha em breve.

Johnson anunciou pessoalmente que havia deixado o hospital em um vídeo postado no Twitter, no qual ele está vestindo terno e gravata. Ele disse que o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês), o sistema de saúde do país, “salvou sua vida, sem dúvida”, uma declaração que contrasta bastante com as atualizações tranquilizadoras sobre sua saúde que haviam sido emitidas pelo governo. Johnson é o primeiro chefe de governo a ter resultado positivo para COVID-19.

O primeiro-ministro foi hospitalizado cerca de uma semana atrás como um “passo de precaução” depois de continuar com os sintomas da COVID-19 dez dias após o teste positivo. Ele passou três noites em terapia intensiva no Hospital St. Thomas, em Londres, e recebeu tratamento com oxigênio, embora o governo tenha dito que não foi necessário o uso de um ventilador.

No vídeo, Johnson agradeceu ao povo do Reino Unido por seguir as medidas de distanciamento social, acrescentando que o país estava progredindo porque essa medida impediu que o NHS ficasse sobrecarregado por casos de COVID-19. Ele parecia estar visivelmente emocionado ao falar sobre as pessoas que cuidaram dele e disse que tomaram “decisões cruciais” pelas quais ele sempre será grato.

Tradução do tweet: é difícil encontrar as palavras para expressar minha gratidão pelo NHS salvar minha vida. Os esforços de milhões de pessoas por todo o país para ficar em casa valem a pena. Juntos superaremos este desafio, assim como superamos muitos outros no passado. #FicarEmCasaSalvaVidas

Johnson destacou dois enfermeiros, um da Nova Zelândia e outro de Portugal, que, segundo ele, ficaram ao seu lado por 48 horas “quando as coisas poderiam ter levado a outro desfecho”.

“E a razão pela qual, no fim das contas, meu corpo começou a receber oxigênio suficiente foi porque, a cada segundo da noite, eles estavam observando, pensando, cuidando e fazendo as intervenções de que eu precisava”, disse Johnson.

Enquanto Johnson se recupera, o governo disse que Dominic Raab, o secretário de Relações Exteriores, continuaria a substituí-lo. Johnson havia designado Raab para administrar o governo quando sua saúde piorou. Segundo o Guardian, Raab já anunciou que o lockdown do Reino Unido será estendido além do período inicial de três semanas, que havia sido decidido por Johnson em 23 de março.

De acordo com o Johns Hopkins Coronavirus Resource Center, no domingo, o Reino Unido já havia registrado 85.175 casos de COVID-19 confirmados e 10.612 mortes associadas à doença.