Brasileiros e brasileiras, abram as champanhes: no último trimestre, o Brasil passou o Japão na última curva, vendeu 95 mil computadores a mais e assumiu, oficialmente, o terceiro lugar na venda mundial de PCs. Quem diz isso é a IDC Brasil. Esqueça tablets, smartphones, mundo móvel: os país vendeu nada menos do que 3,86 milhões de máquinas, ficando apenas atrás de China e Estados Unidos, os líderes da corrida.

Pronto, pode parar o vídeo.

Ok, esqueça os tablets e os smartphones, mas não esqueça a mobilidade. Dos 3,86 milhões vendidos, 51,5% foram notebooks, deixando os PCs de mesa com menos da metade do mercado — a diferença pode parecer pequena, mas consolida a tendência de virada. Os números ainda mostram que não foram só os engravatados que compraram muito: 69,5% das máquinas eram destinadas ao segmento doméstico, enquanto 25,8% foram para empresas e 4,7% para governo e educação. O IDC afirma, sem medo de ser feliz, que nunca na história deste país tantos computadores foram vendidos em um só trimestre.

No resumo: com a população em condições mais aceitáveis do que há dez anos e com a queda do dólar, os brasileiros aproveitaram abril, maio e junho para trocar — ou comprar a primeira — máquina de casa. O crescimento em comparação ao mesmo período de 2010 é de 12,5%. No caso específico dos notebooks, o crescimento é de 27%. Ou seja, estamos voando baixo na reta e, com a crise batendo no bumbum dos americanos — aqui também, mas provavelmente menor –, eles que abram os olhos na próxima curva.