Brasil tem mais casos de depressão do que diabetes; mulheres são mais afetadas

Essa é a primeira vez que a Pesquisa Vigitel, maior inquérito de saúde do Brasil, traz dados sobre a depressão no país
Depressão Brasil
Imagem: christopher lemercier/Unsplash/Reprodução

No início de abril, foram divulgados os resultados da Pesquisa Vigitel 2021, maior inquérito de saúde do Brasil. Nesta edição, o levantamento do Ministério da Saúde contou com entrevistas de 27.093 voluntários maiores de 18 anos de todos os estados do país. 

whatsapp invite banner

Pela primeira vez, a pesquisa trouxe dados sobre a depressão, doença psiquiátrica crônica que tem afetado grande parte da população do Brasil. Para ter uma ideia, 11,3% dos entrevistados foram diagnosticados com o problema, o que supera o número de pessoas com diabetes (9,1%). 

Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, foi a capital com mais casos de depressão registrados (17,4%). Em contrapartida, a cidade de Belém do Pará teve a menor média (7,2%). Você pode conferir a situação das outras capitais clicando aqui.

O inquérito dividiu os entrevistados por faixa etária e grau de escolaridade, mas não encontrou diferenças significativas. Por outro lado, ao separar homens e mulheres, ficou visível que elas são as mais afetadas, representando 14,7% dos casos contra 7,3% deles. 

A pandemia de Covid-19 parece ter colaborado para o cenário da depressão no Brasil. Um levantamento feito pela Universidade Estadual do Rio (UERJ) aponta uma alta nos casos de 4,2% para 8% nos primeiros meses de 2020. 

Teresa Cristina Kurimoto, pesquisadora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e uma das responsáveis pelo Vigitel, explicou ainda ao Estadão que “em grupos específicos, sobretudo de profissionais da linha de frente, o aumento [de depressão] foi muito maior, chegando a 40%”. A constatação é baseada em outros estudos prévios. 

A pandemia trouxe ainda outros efeitos. De acordo com o Vigitel, atualmente, 48,2% dos brasileiros praticam menos atividade física do que o recomendado. Enquanto isso, 18,3% dos entrevistados disseram ter consumido doses de bebida alcoólica acima do recomendado no intervalo de um mês antes da pesquisa. 

Carolina Fioratti

Carolina Fioratti

Repórter responsável pela cobertura de saúde e ciência, com passagem pela Revista Superinteressante. Entusiasta de temas e pautas sociais, está sempre pronta para novas discussões.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas