O sistema de segurança montado pela FIFA e autoridades russas para a Copa do Mundo foi posto à prova por um brasileiro. Na última sexta-feira (22), durante o jogo entre Brasil e Costa Rica, Rodrigo Denardi Vicentini, de 31 anos, acusado de uma série de roubos a agências dos Correios no Espírito Santo, foi preso por agentes da Interpol de São Petersburgo dentro do estádio Zenith Arena.

• Fugitivo é preso na China depois de ser identificado por IA em uma multidão de 60 mil pessoas
• Grupo no Reino Unido pede proibição de sistema de reconhecimento facial com altas taxas de falso positivo
• O que são e o que fazem estas marcas chinesas que aparecem nos jogos da Copa?

Tudo começou com uma pista que indicava que Rodrigo estava em São Petersburgo. Os investigadores brasileiros pensaram no óbvio: o que mais um brasileiro faria na cidade, se não assistindo ao jogo da seleção? A Polícia Federal então enviou uma notificação para a Interpol, que recebeu o chamado às 15h30 (do horário de Brasília).

A partir desse momento, eles tinham pouco mais de uma hora para tentar prendê-lo, tempo o suficiente graças aos bancos de dados montados pelas autoridades russas.

A busca pelas informações do suspeito começou pelas informações do FAN ID, um documento obrigatório para todo torcedor na Copa do Mundo e que serve como uma espécie de visto para entrar na Rússia e nos estádios.

O brasileiro não usou um disfarce muito sofisticado e apenas inverteu seu nome e sobrenome – deixando Denardi Rodrigo – em sua FAN ID e em seu passaporte italiano falso, o que facilitou o trabalho dos policiais.

Os dados da FAN ID mostravam que Rodrigo estava no setor B-107. Bastava fazer uma caçada por meio das câmeras de segurança do estádio, mas a polícia brasileira não tinha fotos atualizadas do suspeito. Uma força tarefa foi montada para tentar obter imagens recentes e em pouco tempo, as autoridades russas já tinham uma foto nova e vídeos de quando e como ele foi para o jogo.

Rodrigo Denardi Vicentini. Crédito: Polícia Russa

A polícia russa esperou ele se afastar da multidão e o prendeu dentro do estádio, no fim do jogo. Pelo menos Rodrigo conseguiu acompanhar a vitória sofrida da seleção.

O tribunal do distrito de Petrogrado, em São Petersburgo, disse que agora vai manter Vicentini por até dois meses como parte do pedido de extradição.

“(Ele) explicou ao tribunal que não é culpado de nada, que a polícia o estava tratando bem, pediu para ser solto, insistiu que não sabia nada sobre as acusações e que provavelmente tudo o que aconteceu foi um erro”, disse o tribunal em comunicado.

Ele é acusado de fazer parte de uma quadrilha que rendia servidores e clientes dos Correios em Vila Velha (ES). Em agosto de 2017, uma operação da Polícia Federal em conjunto com a Delegacia de Combate a Crimes Contra o Patrimônio e Tráfico de Armas (Delepat), do Espírito Santo, prendeu dois suspeitos, mas vários acusados ainda estão foragidos. Estima-se que R$ 230 mil tenham sido roubados.

Vicentini era considerado foragido desde 2017, quando foi para Londres, no Reino Unido, com um passaporte italiano. Da capital britânica, foi de carro até a Rússia para assistir aos jogos da Copa. Ele deve responder pelos crimes de roubo qualificado e associação criminosa armada, cujas penas chegam a 13 anos de reclusão.

[O Globo, Fontanka (1), (2)]

Imagem do topo: FIFA/Facebook