Em 2019, não há muitas notícias boas, muito menos notícias que mostram que podemos realmente resolver um problema global urgente. Então, pessoal, vamos celebrar isso: o buraco na camada de ozônio atingiu sua menor extensão máxima já registrada. Mas há um pequeno porém.

O buraco na camada de ozônio atingiu sua extensão máxima mais baixa já registrada, em parte devido a uma mudança no vórtice polar (sim, também existe um no hemisfério sul) que causou uma onda de calor 20 quilômetros acima da Antártida. O aumento das temperaturas na parte da atmosfera conhecida como estratosfera ajudou a limitar as condições que causam a formação de produtos químicos que destroem o ozônio. Embora nós, humanos, certamente reduzimos nossas emissões desses produtos químicos, não podemos receber muito crédito pelo pequeno recorde deste ano. Mas, ei, isso ainda é algo positivo para a humanidade em 2019.

A NASA divulgou o novo recorde na segunda-feira (21), observando que o buraco na camada de ozônio aumentou para 16,4 milhões de quilômetros quadrados em 9 de setembro e, desde então, começou a se contrair para 10 milhões de quilômetros quadrados ou menos pelo resto do mês e outubro. Essa súbita contração é extremamente rara; o buraco na camada de ozônio geralmente permanece bastante aberto até meados de outubro, antes de se contrair lentamente até dezembro.

Este ano foi anormal, no entanto. A estratosfera, onde os buracos se formam, sofreu um súbito aquecimento no início de setembro, logo no começo da temporada de buracos na camada de ozônio. Setembro marca a virada para a primavera no hemisfério sul. À medida que a luz solar mais forte volta, seus raios iniciam reações químicas na estratosfera que são particularmente predominantes nas partículas das nuvens.

Mas quando o processo começou nesta primavera austral, as coisas saíram de controle. As temperaturas atingiram 16 graus Celsius acima do normal na estratosfera em meados de setembro, um processo conhecido como aquecimento estratosférico repentino. Esse calor inibiu a formação de nuvens, limitando a quantidade de depleção de ozônio. Mas eventos súbitos de aquecimento estratosférico podem ter outro impacto.

Se o termo parece familiar, é porque geralmente é o que precede surtos de frio nos EUA devido à quebra do vórtice polar. Há também um vórtice polar no hemisfério sul girando em torno da Antártica. E ele quebrou nesta primavera austral, assim como seu amigo do hemisfério norte fez nos últimos invernos.

Isso fez com que o jato da Antártida diminuísse de uma média de 161 milhas por hora para apenas 67 milhas por hora em setembro, o que, por sua vez, permitiu uma corrente de ar carregado de ozônio para a região onde o buraco geralmente se forma.

É essa combinação de fatores que levou a um buraco tão pequeno este ano, e os cientistas estão estudando-o com grande interesse, já que é tão raro. Eventos similares de aquecimento estratosférico repentino ocorreram na Antártica em setembro de 1988 e 2002, e o buraco na camada de ozônio nesses anos também foi menor que o normal.

“É uma ótima notícia para a camada de ozônio no Hemisfério Sul”, Paul Newman, cientista-chefe para Ciências da Terra da NASA Goddard Space Flight Center, disse em um comunicado de imprensa da NASA. “Mas é importante reconhecer que o que estamos vendo este ano é devido às temperaturas estratosféricas mais quentes. Não é sinal de que o ozônio atmosférico esteja subitamente em um caminho rápido de recuperação”.

De fato, os seres humanos cortaram substâncias químicas que destroem a camada de ozônio desde o final dos anos 80, depois que percebemos que estavam causando estragos na estratosfera, mas ainda há um longo caminho a percorrer antes que possamos desfrutar de uma camada de ozônio totalmente reparada.

Esses produtos químicos já foram comuns em refrigeradores e, desde então, foram substituídos por produtos químicos que emitem gases de efeito estufa potentes, por isso é um passo à frente, dois passos atrás. Os cientistas também identificaram recentemente a China como uma fonte de emissões químicas nocivas para a camada de ozônio. Mesmo depois de essas questões começarem a receber atenção, ainda levará décadas para reduzir completamente as emissões a zero.

Mas, no geral, a tendência de emissões que destroem a camada de ozônio está indo na direção certa. Certamente, recebemos uma ajuda da natureza este ano, mostrando como o futuro pode ser bom se continuarmos com essa tendência. E honestamente, dado o show de terror que é a vida moderna, eu aceito.