Cara irritado acerta laser em piloto de helicóptero da polícia

Existem respostas racionais para um helicóptero da polícia fazendo barulho perto da sua casa. Quem sabe ligar pras autoridades pra reclamar, ou esperar um pouco pra eles fazerem o trabalho de, uh, garantir sua segurança? Mas atirar laser no rosto do piloto? Não é racional. É zoado, na verdade.

Existem respostas racionais para um helicóptero da polícia fazendo barulho perto da sua casa. Quem sabe ligar pras autoridades pra reclamar, ou esperar um pouco pra eles fazerem o trabalho de, uh, garantir sua segurança? Mas atirar laser no rosto do piloto? Não é racional. É zoado, na verdade.

Mark Hazlitt, 58 anos, decidiu que esta era a estratégia dele para paz e sossego, e mirou o laser pointer dele em um helicóptero que estava procurando um homem que ameaçava se suicidar, numa cidade da Flórida (EUA). Quando Hazlitt acertou o alvo, "o laser iluminou a cabine do piloto com tal intensidade que o equipamento de visão noturna do piloto e do assistente se tornaram inoperáveis", de acordo com um representante da polícia.

Mas foi o Mark que pagou o pato. O piloto conseguiu desviar da luz, recalibrar o equipamento e rastrear a fonte do laser. Hazlitt agora é acusado de "mau uso de dispositivo de iluminação a laser". E que possível justificativa ele poderia ter para colocar um helicóptero e sua equipe em risco de destruição e morte? Mark disse que estava "cansado de ouvi-lo". Da próxima vez, coloque uns fones de ouvido. Aqueles fones intra-auriculares são mais baratos que um advogado. [The Ledger]

Foto por Edward Simpson/Flickr

Sair da versão mobile