Cartagena das Índias, um dos principais pontos turístico da Colômbia, pode ter iniciado um processo de desaparecimento do mapa. Dados de satélite apontam para uma subsidência na região que pode impactar diretamente a existência da cidade.

Subsidência é um fenômeno de rebaixamento da superfície do terreno devido às alterações no suporte subterrâneo como extração de água, petróleo e gás. É um movimento natural do solo, comum, muito lento, que ocorre pelo acúmulo de sedimentos da lama ou vulcões, bem como o movimento vertical da crosta terrestre.

Afundamentos constatados

Uma equipe de cientistas internacionais e mais dois professores de geofísica, Shimon Wdowinski, da FIU. e Juan Restrepo-Ángel da Universidade EAFIT na Colômbia, descobriram que Cartagena, que fica no mar caribenho, está sofrendo sérios afundamentos, com algumas áreas diminuindo a taxas de quase meia polegada por ano.

Isso tudo, combinado com os efeitos da subida do mar devido à crise climática, o aumento das inundações e a erosão costeira, gera um grau de subsidência que pode ser fatal para o lugar.

O professor Wdowinski explicou que a principal causa das inundações na cidade até o momento são as tempestades, mas que o deslocamento da terra pode se tornar o principal motivo.

“Até agora, as inundações costeiras ocorreram principalmente devido à tempestade, mas com o aumento do nível do mar e subsidência costeira, esperamos um aumento na frequência de eventos de inundação. Está claro que a subsidência representa uma grande ameaça à preservação de Cartagena”, disse Wdowinski.

As projeções atuais do nível do mar e das enchentes mostram que mesmo com um cenário mais moderado de emissões de gases de efeito estufa, Cartagena pode experimentar um aumento de 9,4 polegadas do nível do mar até 2050 e 20,5 polegadas até 2100.

Entretanto, essas projeções não levam em consideração o afundamento. Com base nas conclusões do estudo, Cartagena pode passar por algo ainda maior, com um aumento do nível do mar de até 14 polegadas (35,56 cm) em 2050 e 33,5 polegadas (85,09 cm) em 2100, e são esses dados que preocupam.

A subsidência pode ser observada usando InSAR, uma tecnologia de radar especial amplamente usada para detectar e monitorar mudanças na superfície da terra, geleiras e níveis de água em pântanos. Ele também monitora as mudanças causadas por processos que podem levar a subsidência da terra. Usando dados do InSAR, a equipe descobriu que entre 2014 – 2020, havia uma taxa de subsidência total de até 2,8 polegadas (7,11 cm) em Cartagena, e que esse número só fará aumentar.

Como salvar Cartagena?

Os pesquisadores responsáveis pelo estudo ressaltaram que o planejamento ou desenvolvimento futuro da cidade deve ser implementado já com mediações e modelagem de subsidência consistentes em toda a Cartagena.

Assine a newsletter do Gizmodo

Segundo eles, os futuros políticos devem incluir soluções para o local a longo prazo, e o conselho também serve para outras cidades costeiras que enfrentam o mesmo enigma de aumento e subsidência do mar, incluindo Miami, nos EUA.

“Esta é uma questão que outras cidades costeiras enfrentarão —como podemos imaginar essas cidades no século da elevação dos mares. Os humanos não podem impedir o afundamento da terra, mas esperamos que este artigo incentive as pessoas a desempenhar um papel na redução da taxa de elevação do nível do mar fazendo o que podem, ou seja, reduzindo as emissões de carbono”, enfatizou Shimon Wdowinsk.