Depois de uma estadia de 20 anos na fronteira final, por volta das 9h da manhã do horário de Brasília, o Laboratório de Propulsão a Jato da NASA perdeu contato com a espaçonave Cassini, que havia mergulhado na atmosfera de Saturno cerca de uma hora e meia antes, dando fim à sua exploração de 13 anos no sistema saturniano.

• Cassini: algumas últimas palavras sobre a melhor sonda de nossas vidas
• A última observação da lua Titã pela Cassini é de tirar o fôlego

“Talvez tenha uma gota de telemetria restante, mas acabamos de ouvir que o sinal da espaçonave se foi, e dentro dos próximos 45 segundos ela também terá partido. Espero que todos estejam profundamente orgulhosos dessa conquista fantástica”, anunciou um gerente de projetos do laboratório nesta manhã. “Considero esse o fim da missão.”

A data de morte da Cassini estava planejada há meses. A sonda tinha apenas algumas gotas de combustível nesta manhã, e em vez de arriscar que um pedaço de metal colidisse com uma das luas que possivelmente abrigam vida no sistema saturniano, a NASA decidiu enviar sua amada espaçonave em direção a seu objeto de mais de uma década de exploração. A sonda enviou dados de volta para a agência até não poder mais.

Nas horas que antecederam seu ardente fim, a Cassini também enviou uma leva final de imagens, capturadas nos últimos dias de sua missão. Eis a canção do cisne da querida sonda.

Uma última observação dos gloriosos anéis de Saturno. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute

Última observação da maior lua de Saturno, a Titã. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute

Saturno. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute

Saturno e a lua gelada Encélado. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute/Emily Lakdawalla

Ad astra per aspera, Cassini. Não vamos nos esquecer de você.

[Cassini Saturn]

Imagem do topo: NASA