Arqueólogos estão escavando a antiga cidade de Kelenderis, na costa da Turquia banhada pelo Mediterrâneo, desde 1987. Em 35 anos, eles encontraram cerca de 150 túmulos – nenhum deles pertencia a crianças. 

Agora, a história deve começar a mudar. Uma equipe liderada por Mahmut Aydın, pesquisador da Universidade Batman, na Turquia, escavou pela primeira vez na cidade um esqueleto infantil. Os ossos estavam próximos do antigo Odeão da cidade – nome dado a um pequeno anfiteatro grego.

Foram revelados, ainda, diversos túmulos de bebês. Isso levou os pesquisadores a acreditarem que a área recém explorada na Turquia foi usada como cemitério infantil no passado. Junto ao corpo da criança maior, havia quatro pulseiras de vidro, roupas, peças de cerâmica, uma xícara e um pequeno caixão de madeira. 

Além dos sepultamentos, os arqueólogos também encontraram na região um forno industrial – o primeiro visto no sítio arqueológico. A hipótese dos pesquisadores é que a ferramenta tenha sido utilizada para a fabricação de telhas no passado. Algumas das peças, que datam do século 7, foram encontradas próximas ao forno, reforçando a ideia.

Embora os pesquisadores saibam que o cemitério na Turquia data do período medieval, eles ainda não conseguem dizer com certeza a época em que a criança morreu. O esqueleto deve ser submetido a datação por carbono 14, o que proporcionará novas informações em breve.

As ruínas de Kelenderis têm cerca de 2.800 anos. Historiadores relatam que a cidade era em seu início um assentamento fenício, que se expandiu após a chegada de colonos jônicos vindos de Samos.