Na corrida pelo 5G, a China parece estar disposta a conquistar a liderança. Na última semana, as operadoras estatais China Mobile, China Unicom e China Telecom divulgaram as ofertas de planos de dados 5G para os consumidores.

Inicialmente, o lançamento das empresas estava previsto apenas para o ano que vem, mas elas decidiram acelerar o processo. Com isso, um total de 50 cidades chinesas já possuem o serviço, incluindo Pequim e Xangai, com planos variados de 128 yuan (US$ 18 ou R$ 73) a 599 yuan (US$ 85 ou R$ 342).

Segundo a Xinhua Net, um plano de 129 yuan da China Unicom oferece um limite de dados de 30 gigabytes, 500 minutos de chamadas de voz e um limite de velocidade de 500 Mbps. Já o plano de 599 yuan dá 300 gigabytes de dados e 3.000 minutos de chamada de voz, com limite de velocidade de 1 Gbps.

China e EUA continuam a brigar pela liderança na tecnologia 5G, com a Huawei no centro da disputa. A empresa é responsável pelo fornecimento da maior parte de equipamentos de 5G na China e já está conversando com outros países para levar a tecnologia mundo afora.

Enquanto isso, os EUA tentam convencer outros países a não negociar com a gigante de tecnologia chinesa, usando como argumento ameaças à segurança e à privacidade. No início de setembro, Robert L. Strayes, vice-secretário assistente de Estado dos EUA para comunicações internacionais e cibernéticas, disse que poderia rever parcerias de inteligência com o Brasil caso seja adotada a tecnologia chinesa no 5G por aqui.

Recentemente, em visita à China, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil vai aguardar a melhor oferta no leilão do 5G, sem se posicionar sobre a disputa entre China e EUA.

Com a questão da interferência no sinal de televisão por satélite e mudanças no formato da licitação, o leilão já foi adiado para o segundo semestre de 2020, e a expectativa é que a operação comercial comece apenas em 2021. Algumas operadoras, no entanto, defendem que o leilão fique para 2021, postergando ainda mais a implantação da tecnologia por aqui.

Até mesmo a Huawei, que já conduziu testes com quatro operadoras brasileiras para o 5G, afirmou que o Brasil está atrasado em relação a outros países vizinhos. O Uruguai, por exemplo, iniciou os testes comerciais em abril, sendo o primeiro país latino-americano a disponibilizar a rede para consumidores.

Enquanto as 50 cidades na China já desfrutam da internet super rápida, só nos resta esperar para saber se, aqui no Brasil, esse leilão vai sair no ano que vem mesmo.

[BBC]